Navigation

Suíços vão votar leis para Covid-19 e CO2

Adversários à lei do CO2, com caixas de assinaturas em Berna na terça-feira. Keystone / Peter Schneider

Militantes entregaram as assinaturas necessárias para levar duas leis recentemente aprovadas a uma votação nacional: a Lei Covid-19 que sustenta a ação do governo contra a pandemia, e a chamada lei do CO2 para enfrentar a crise climática.

Este conteúdo foi publicado em 13. janeiro 2021 - 07:00
swissinfo.ch/fh

Os adversários às leis, que não estão ligados, entregaram seus documentos à Chancelaria Federal em Berna na terça-feira. Ambos conseguiram mais de 50.000 assinaturas necessárias (dentro de um período de três meses) para levar uma lei ao referendo nacional.

O primeiro, contra uma lei climática aprovada pelo Parlamento em setembro passado, é apoiado por um grupo diversificado que representa vários interesses econômicos, de transporte e energia. O grupo também conta com o apoio do maior partido político do país, o Partido Popular Suíço, de direita.

De acordo com este grupo - que entregou um total de 110.000 assinaturas na terça-feira - a lei do CO2 é "cara, ineficiente, burocrática, e leva a um poder estatal excessivo".

A lei do CO2 contém várias medidas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa na Suíça, em conformidade com o Acordo de Paris de 2015 sobre a mudança climática. As medidas incluem novos impostos sobre viagens aéreas, normas para imóveis mais ecológicos e metas mais rígidas para as emissões de veículos.

Christian Imark, do Partido Popular, disse na terça-feira que a lei tratava "simplesmente de dinheiro, mas não terá impacto significativo sobre a política climática".

Os debates e as campanhas em torno desta votação parecem agitados e fragmentados: enquanto alguns grupos de esquerda também são contra a lei (eles dizem que ela é muito fraca para atingir as metas climáticas), vários outros grupos econômicos já saíram na terça-feira a favor dela, assim como grandes associações ecológicas, incluindo o Greenpeace e o Fundo Mundial para a Vida Selvagem (WWF).

Covid-19

O segundo referendo visa a Lei Covid-19Link externo. Esta lei, também ratificada em setembro do ano passado, consagra na legislação normal (ao invés de emergencial) as ações tomadas pelo Conselho Federal que governa o país para combater a pandemia do coronavírus.

Ela foi promulgada em uma tentativa de fechar lacunas na legislação que surgiram quando o governo terminou a "situação extraordinária" que havia anunciado na primavera passada.

Mas para o grupo "amigos da constituição" por trás do referendo, esta legislação é desnecessária, pois cobre principalmente medidas financeiras que o governo poderia fazer usando os decretos federais normais.

Os adversários da lei também consideram que ela poderia preparar o caminho para uma campanha de vacinação obrigatória usando medicamentos testados às pressas.

As autoridades negaram que este seria o caso, e que a campanha de vacinação - que mudou de cor na terça-feira com a aprovação de uma segunda vacina do fabricante Moderna - permaneceria completamente opcional para toda a população.

Ambos os referendos não serão submetidos aos eleitores antes de junho, na melhor das hipóteses. Nessa ocasião, a Lei Covid-19 já teria estado em vigor por nove meses.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.