Navigation

Suíça desenvolve pavimentos especiais para ajudar a refrescar as cidades

Com a mudança climática, nossas cidades estão ficando mais quentes. Mas novos pavimentos para estradas podem ajudar a amenizar o calor. Keystone / Salvatore Di Nolfi

Engenheiros suíços encontraram um novo tipo de pavimento que, segundo eles, pode ajudar a reduzir o calor nas cidades, ao mesmo tempo em que reduz o ruído.

Este conteúdo foi publicado em 22. junho 2021 - 13:30
swissinfo.ch/fh

Após testar 20 tipos diferentes de revestimento, eles encontraram um "vencedor do teste" que reduz o calor em 12 graus, relata a emissora nacional suíça SRF. O novo revestimento foi desenvolvido por um grupo de engenheiros, construtores de estradas e pesquisadores. Os testes foram realizados em duas estradas da capital federal Berna e em Sion, capital do cantão do Valais.

"No mundo profissional, foi admitido um máximo de 10 graus", disse o engenheiro Erik Bühlmann à SRF. As estradas ocupam uma grande parte das áreas urbanas e o objetivo é reduzir as ilhas de calor.

Os engenheiros agora recomendam quatro tipos de superfícies. Graças à sua cor mais clara, elas refletem melhor e absorvem o calor menos rapidamente. Algumas superfícies são simplesmente pintadas com uma cor clara, outras têm cascalho de cor clara no topo. O "vencedor do teste" utiliza pedras pequenas e de cor clara para o asfalto.

Essas superfícies também têm propriedades redutoras de ruído e podem suportar cargas elevadas, segundo Bühlmann, que descreveu o projeto como "revolucionário".

A pesquisa foi apoiada pelo governo federal e pelos cantões de Berna e Valais. Vários municípios e cantões expressaram interesse por esses revestimentos. Em Lucerna e Zurique, as primeiras estradas serão construídas desta forma em breve, mesmo sendo mais caras.

"Uma variedade de medidas é a maneira de esfriar as cidades", disse o climatologista da Universidade de Berna, Stefan Brönnimann, à SRF. Ele enfatizou a urgência do problema. "O número de noites tropicais, que são muito desagradáveis para os humanos, ainda é relativamente pequeno, mas isso vai mudar com as mudanças climáticas", disse ele.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.