Navigation

Restringir viagens por tipo de vacina pode ser discriminação, alerta Opas

Aeroporto de Cingapura 20/10/2021 REUTERS/Edgar Su reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. outubro 2021 - 19:59

Por Daina Beth Solomon

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Os países deveriam permitir a entrada de viajantes vacinados, seja qual fora a vacina que receberam, para evitar a discriminação e facilitar o turismo e negócios, disse uma autoridade de alto escalão da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) nesta quarta-feira.

Como as taxas de vacinação estão aumentando, países enfrentam novas dúvidas sobre como conter a disseminação da Covid-19 ao mesmo tempo em que aliviam as restrições de viagem pela pandemia.

Na semana passada, os Estados Unidos disseram que reabrirão a fronteira terrestre com o México, a mais movimentada do mundo, mas só permitirão a entrada de pessoas que foram inoculadas com vacinas autorizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), deixando de fora duas vacinas muito usadas no país vizinho: a russa Sputnik V e uma da chinesa Cansino Biologics.

"É muito importante que países consigam chegar a acordos bilaterais, multilaterais, para que todas as vacinas que estão sendo usadas possam ser aceitas", disse o diretor-assistente da Opas, Jarbas Barbosa, em uma coletiva de imprensa.

"Isso pode facilitar o turismo, pode facilitar os negócios, é do interesse da sociedade."

Recusar pessoas com base em sua vacina poderia impactar viajantes injustamente, argumentou ele, acrescentando: "Isto sem dúvida poderia criar um tipo de discriminação."

Milhões de mexicanos foram vacinados com doses da Sputnik V e da Cansino. O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse que pedirá à OMS que acelere as aprovações.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.