Navigation

Protestos contra obrigatoriedade de certificado de vacinação

Os manifestantes quando passavam frente ao prédio do Parlamento federal em Berna. Keystone / Marcel Bieri

Mais de mil pessoas protestaram contra a extensão do uso do certificado de Covid-19 em Berna, capital da Suíça, na noite da quarta-feira (08.09).

Este conteúdo foi publicado em 09. setembro 2021 - 11:00
Keystone-SDA/SRF

Na quarta-feira, o governo suíço anunciou que estenderia a obrigatoriedade do certificado de vacinação contra o Covid-19 (a comprovação que uma pessoa está vacinada, foi testada negativa ou já teve a enfermidade) a espaços públicos fechados como restaurantes, eventos culturais e atividades de lazer. A medida, já aguardada, se aplica a indivíduos com 16 anos ou mais. Ela entra em vigor a partir de 13 de setembro até o final de janeiro de 2022.

O protesto foi organizado - e promovido nas mídias sociais - por várias organizações que se opõem às medidas de combate Covid-19 aplicadas pelo governo federal durante a pandemia. Manifestantes hastearam bandeiras suíças e cantonais e marcharam através do centro da cidade. Alguns também ergueram bandeiras com slogans protestando contra o certificado ou a campanha de vacinação.

A manifestação foi acompanhada pela polícia local, que teria feito controles pessoais de alguns participantes devido "às provocações ocorridas durante a manifestação", informou um porta-voz. Em nove casos, as pessoas receberam ordens de abandonar o manifesto, que se encerrou no início da noite.

Justificativa

Enquanto isso, Alain Berset, defendeu na imprensa a decisão de extensão do certificado. O ministro suíço da Saúde ressaltou que os números de casos de Covid-19 aumentaram: 3.500 novos casos são atualmente registrados diariamente.

"Existe atualmente um risco concreto que nosso sistema hospitalar fique sobrecarregado", disse Berset em entrevista transmitida por televisão na quarta-feira à noite. "Essa é a realidade. A alternativa para o certificado seriam meses de fechamento. Portanto, o certificado não é o problema - é a solução. Ele nos permite reconquistar nossa liberdade", declarou.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.