Navigation

População suíça está doida para decolar novamente

Corine Moinat preside o Conselho de Administração do Aeroporto Internacional de Genebra desde janeiro de 2015. Guillaume Megevand

A pandemia atingiu duramente o Aeroporto Internacional de Genebra, o segundo maior aeroporto do país depois de Zurique. É neste contexto tenso que Corine Moinat, presidente do Conselho de Administração desta instituição pública autônoma, encontrou SWI swissinfo.ch para falar de sua estratégia.

Este conteúdo foi publicado em 30. março 2021 - 15:30
Philippe Monnier

Corine Moinat preside o Conselho de Administração do Aeroporto Internacional de Genebra desde janeiro de 2015. Ela é a primeira presidente na história desta instituição pública autônoma - de propriedade do Estado de Genebra - a não pertencer ao governo de Genebra. O Aeroporto de Genebra emprega pouco mais de 1.000 pessoas e sua plataforma aeroportuária abriga cerca de 200 outras empresas com um total de cerca de 11.000 funcionários.

Antes de assumir a administração do aeroporto, Corine Moinat ocupou vários cargos de alta direção no Migros, um dos principais grupos varejistas suíços. Em particular, ela gerenciou o centro Balexert, o maior centro comercial da Suíça francófona.

Série Mulheres no Comando  

As mulheres ainda estão largamente sub-representadas nos escalões superiores da economia. Por exemplo, apenas 13% das 20 empresas listadas no principal índice da bolsa suíça, o SMI, têm mulheres em cargos executivos. Neste aspecto, a Suíça é um país com mau desempenho de acordo com os padrões internacionais. Ao longo do ano, SWI swissinfo.ch decidiu dar a palavra a diretoras de empresas suíças que operam em todo o mundo. Representantes da economia suíça discutem os desafios mais urgentes que atualmente afetam seus negócios, desde a crise do coronavírus até o lugar da Suíça na economia global.

End of insertion

swissinfo.ch: Em 2020, seu tráfego de passageiros caiu 68,8% e seus resultados mostraram um prejuízo de 129,5 milhões de francos. Quais são seus cenários para o futuro?

Corine Moinat: Com esta pandemia e suas sucessivas ondas, temos trabalhado em uma multiplicidade de cenários e subcenários. Felizmente, graças ao sucesso de nossa recente emissão de títulos [de 180 milhões de francos], temos a liquidez para enfrentar 2021 e nos prepararmos para a recuperação. Isso me permite dormir melhor...

"É muito difícil planejar nosso futuro, a menos que tenhamos uma bola de cristal"

End of insertion

Além da emissão de títulos, vocês acabam de receber uma linha de crédito de 200 milhões de francos do Estado de Genebra...

Sim, mas este empréstimo ainda tem que ser aprovado pelo parlamento de Genebra. Esta é uma solução de último recurso, razão pela qual devemos continuar nossos esforços para controlar nossos gastos e investimentos.

Você acha que a pandemia mudou fundamentalmente o mundo e que o Aeroporto de Genebra nunca mais voltará ao seu faturamento pré-Covid?

Francamente, eu não espero uma queda brusca nas viagens aéreas porque sinto um desejo muito forte de viajar entre a população. E apesar das quarentenas e testes Covid, vejo um grande interesse por parte dos turistas nos poucos destinos ainda abertos. Em todo caso, os especialistas em aviação estão contando com um retorno ao normal em 2024.

Que critérios você utiliza para medir o sucesso de seu aeroporto?

Em primeiro lugar, a riqueza da conectividade é extremamente importante para apoiar a economia e o emprego em nossa região. Apesar do pequeno tamanho de nosso território, acho notável que nosso aeroporto seja capaz de oferecer 149 destinos a 18 milhões de passageiros por ano.

Um segundo critério chave é a redução do barulho. Em 2019, atingimos as metas estabelecidas para 2030. Estas metas foram estabelecidas pelo Departamento Federal de Aviação Civil, bem como pelo Cantão de Genebra. Também estamos nos esforçando para minimizar as emissões de CO2, por exemplo, promovendo a última geração de aeronaves.

Finalmente, em anos "normais", pagamos CHF 40 milhões ao Estado de Genebra como participação nos lucros.

"Alguns de nossos fornecedores são essenciais para o bom funcionamento do nosso aeroporto. Estes fornecedores estão sofrendo um grande impacto com a crise, mas, por enquanto, estão resistindo"

End of insertion

O aeroporto de Genebra oferece 28 destinos fora da Europa. É uma prioridade aumentar o número de destinos longínquos?

Absolutamente. É precisamente para ser mais atrativo para este tipo de voo que inauguraremos, ainda neste ano, nosso novo terminal para grandes aviões, a Ala Leste.

Em termos concretos, como você consegue atrair novas companhias aéreas, especialmente aquelas que oferecem voos de longo curso?

Além de oferecer uma boa infraestrutura, também fornecemos estatísticas sobre a demanda de clientes potenciais da Suíça francófona e da França vizinha. Entretanto, as decisões de abrir uma nova rota são sempre tomadas pelas empresas aéreas de acordo com sua avaliação das necessidades do mercado.

Cerca de 50% do seu tráfego é gerado pela Easyjet. É arriscado ser tão dependente de uma única companhia aérea, especialmente de uma especializada em voos de baixo custo?

Não acho apropriado rotular a Easyjet desta forma, porque hoje todas as companhias aéreas oferecem voos de baixo custo, inclusive a Swiss.

Além disso, essas tarifas baixas são muito populares entre os residentes de origem portuguesa, espanhola ou balcânica, por exemplo, pois lhes dão a oportunidade de visitar os membros da família em casa com mais frequência. E um grande número de empresários também gosta desses voos, que, portanto, correspondem a uma demanda real. Se a Easyjet deixasse nosso aeroporto, esta demanda certamente seria atendida por outras companhias aéreas.

Algum de seus fornecedores está em perigo de desaparecer por causa da pandemia?

Alguns fornecedores - por exemplo, Swissport ou Dnata - são essenciais para o bom funcionamento do aeroporto. Estas empresas foram duramente atingidas pela crise, mas estão resistindo bem no momento. Junto com essas empresas, o cantão e a Confederação, estamos tentando encontrar ajuda e soluções que permitam aos atores do sistema de transporte aéreo superar a crise. 

Seus principais concorrentes são os aeroportos de Zurique e Basileia-Mulhouse?

Nosso concorrente mais direto é o Aeroporto de Lyon. Após sua privatização, este aeroporto tem visto um aumento em seus destinos e passageiros. Os aeroportos de Zurique e Basileia-Mulhouse tornaram-se mais um parceiro porque enfrentamos os mesmos desafios e problemas.

Como um aeroporto urbano, você enfrenta muitos desafios. Há planos para criar um novo centro aeroportuário longe do centro de Genebra?

Não, e eu realmente não vejo onde este novo aeroporto poderia estar localizado sem criar transtornos para as pessoas que vivem perto dele.

"Nossas atividades não-aeroportuárias são parte integrante de nosso core business. E as sinergias comerciais com nossas atividades aeroportuárias são consideráveis"

End of insertion

Quase metade de sua receita vem de atividades não aeroportuárias, tais como espaço comercial e aluguel de estacionamentos. Por que vocês não se concentram em seu core business?

Porque consideramos nossas atividades não aeroportuárias como parte integrante de nosso core business e existem sinergias comerciais consideráveis entre nossas diferentes atividades. Além disso, a maior parte do espaço comercial que alugamos está localizada dentro da zona de segurança, portanto, está realmente no coração de nosso aeroporto. Por outro lado, não hesitamos em terceirizar certas atividades altamente especializadas, tais como o manuseio de bagagens.

Vocês são um estabelecimento público autônomo, de propriedade do Estado de Genebra. Se vocês se tornassem uma sociedade anônima listada na bolsa de valores, como o Aeroporto de Zurique, vocês ganhariam em flexibilidade?

Não necessariamente, porque um aeroporto deve estar em constante diálogo com as autoridades políticas locais e as associações de moradores. Em nosso caso, os vinte membros de nosso conselho de administração são em sua maioria nomeados pelo parlamento ou pelo executivo do cantão de Genebra, e isso nos obriga a realizar discussões muito abrangentes com representantes de todos os lados.

Embora nosso modus operandi seja altamente regulamentado, nosso Conselho de Administração acaba gozando de uma grande latitude e, como uma sociedade anônima, cada diretor é obrigado a defender os interesses de nosso aeroporto e não os dos órgãos que o nomearam.

É fácil encontrar o pessoal que você precisa na região de Genebra?

Basicamente, sim. No entanto, tivemos que atrair alguns especialistas em aviação de outras regiões.

Quais aeroportos do mundo você considera exemplares?

Procuramos inspiração em muitos aeroportos, tais como Zurique, Montreal, Munique e Helsinque. Mas no final das contas, cada aeroporto tem suas próprias necessidades específicas e tem que encontrar suas próprias soluções.

Adaptação: Fernando Hirschy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.