Navigation

Governo afegão pede que Suíça interrompa deportações

Exército afegão e milícias patrulhando as ruas de Herat em agosto de 2021. Keystone/Jalil Rezayee

Cresce a pressão sobre a Suíça para interromper as deportações de requerentes de asilo rejeitados para o Afeganistão.

Este conteúdo foi publicado em 05. agosto 2021 - 13:30
swissinfo.ch/urs

A Secretaria de Estado para MigraçãoLink externo (SEM) confirmou que o governo afegão solicitou uma suspensão de três meses das repatriações forçadas devido a novos combates e à pandemia de Covid-19.

Entretanto, o governo suíço não tem planos de mudar sua política de deportação, noticiou na quinta-feira o jornal Neue Zürcher Zeitung (NZZ).

Entretanto, a SEM disse estar ciente da "situação tensa no Afeganistão" após os combates entre as tropas do governo e as forças talibãs nas últimas semanas.

Acrescentou que, na prática, as deportações só seriam realizadas sob condições "particularmente favoráveis" e em casos individuais.

Existem atualmente 168 requerentes de asilo rejeitados na Suíça que aguardam deportação, de acordo com a NZZ. As últimas repatriações forçadas ocorreram em 2019.

Nas últimas semanas, várias organizações humanitárias na Europa alertaram contra a deportação de afegãos para um país onde a violência aumentou com a retirada das tropas da OTAN.

Direitos humanos

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos ordenou na quarta-feira a suspensão das deportações de afegãos da Áustria. Noruega, Suécia e Finlândia suspenderam as repatriações forçadas, informou a rádio SRF.

A comunidade afegã na Suíça conta atualmente com cerca de 20 mil membros, dos quais mais da metade é de refugiados. Segundo as autoridades cantonais, seria um grupo relativamente pequeno e bem integrado de refugiados, informa o NZZ. Mais de 300 mil afegãos abandonaram o país em 2021, de acordo com a ONU

Adaptação: Alexander Thoele

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.