Navigation

Exposição na ONU lembra do ataque atômico em Hiroshima e Nagasaki

Uma nuvem de cogumelo após a bomba atômica foi lançada sobre Nagasaki em 9 de agosto de 1945, matando mais de 73 mil pessoas. Keystone / Nagasaki Atomic Bomb Museum

A mostra de Hiroshima e Nagasaki em exibição nas Nações Unidas em Genebra acaba de ser renovada por mais uma década. 

Este conteúdo foi publicado em 01. setembro 2021 - 16:00

A sede da ONU em Genebra, onde acontecem as conferências sobre desarmamento, tem sido nos últimos dez anos o lar de uma exposição de objetos que atestam os horrores dos bombardeios atômicos. A coleção conta com painéis de fotografias de paisagens que foram devastadas pelas bombas; um pedaço da parede externa da igreja de Urakami em Nagasaki, que estava localizada muito perto do centro da explosão e foi desmontada após a guerra; e ainda, fragmentos de vidro e cerâmica derretidos pelo calor da bomba. A paisagem e os objetos foram tão mutilados que são difíceis de serem identificados à primeira vista.   

O mês de agosto de 2021 marca o 76º aniversário dos bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki. Na Cerimônia do Memorial da Paz do bombardeio atômico em 6 de agosto, o prefeito de Hiroshima, Kazumi Matsui, fez uma declaração de paz: "Junto com Nagasaki e das pessoas com ideias semelhantes em todo o mundo, nos comprometemos a fazer tudo ao nosso alcance para abolir as armas nucleares e iluminar o caminho em direção à paz mundial duradoura”.    

“Em relação ao governo japonês, solicito uma mediação produtiva entre os Estados com armas nucleares e não nucleares”, acrescentou. A Declaração de Paz de Nagasaki continha declarações semelhantes e também demandava que o governo japonês participasse das discussões sobre o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW) como observador. "Nagasaki deve ser a última cidade com bomba atômica", dizia o documento. 

Discussões lentas

Enquanto isso, o debate sobre o desarmamento nuclear caminha lentamente. Em janeiro, o TPNW, que proíbe o desenvolvimento e a posse de armas nucleares, entrou em vigor. Mas nenhum país com armas nucleares aderiu ao tratado. Nem o Japão, o único país que sofreu um ataque nuclear. 

A Suíça também estendeu sua discussão sobre a ratificação do TPNW até o final de 2021 e está cautelosa quanto à assinatura do tratado. Duas bombas nucleares foram usadas em Hiroshima e Nagasaki mas hoje existem 13.400 bombas nucleares no mundo.    

Tatiana Valovaya, diretora-geral da ONU em Genebra, diz que a exposição sobre a bomba atômica no saguão do Edifício E tem como objetivo continuar a influenciar a discussão sobre a abolição das armas nucleares.  

"A exposição continuará a servir como um lembrete do que aconteceu há mais de três quartos de século atrás. Localizada no coração da capital mundial do desarmamento, ela fornecerá à comunidade internacional em Genebra uma inspiração para trabalhar pelo projeto de um mundo livre de armas nucleares”, diz.

Em agosto, a ONU e o governo japonês combinaram de estender a exposição por mais dez anos.    

Adaptação: Clarissa Levy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.