Navigation

Polícia continua as buscas aos ingleses que fugiram da quarentena

Este não tem para onde fugir. Keystone / Gian Ehrenzeller

Os cantões suíços ainda estão tentando identificar os turistas do Reino Unido e da África do Sul que estão hospedados em seus resorts ou que fugiram para escapar da quarentena de Covid. O cantão do Valais, que abriga muitas estações de esqui populares, como Verbier e Zermatt, está em dificuldades.

Este conteúdo foi publicado em 30. dezembro 2020 - 14:46
Keystone-SDA/ts

No fim de semana, cerca de 200 turistas britânicos fugiram de Verbier durante a noite, e os donos de hotéis só se deram conta do que estava acontecendo quando viram bandejas de café da manhã intocadas do lado de fora das portas dos quartos. Os turistas podem ser multados em até CHF 10.000 (US$ 11.280).

Em 20 de dezembro, a Suíça suspendeu todos os vôos da Grã-Bretanha e África do Sul porque uma nova variante do coronavírus, considerada mais infecciosa, havia sido detectada naqueles países. As autoridades suíças ordenaram que todas as chegadas desde 14 de dezembro fossem colocadas em quarentena retroativamente por dez dias a partir da data de chegada.

Jean-Bernard Moix, diretor de Saúde do Valais, disse na terça-feira que 863 pessoas da Grã-Bretanha e 13 da África do Sul - 876 no total - haviam sido identificadas até agora no cantão.

O cantão havia sido notificado de 291 chegadas desde 14 de dezembro através de listas elaboradas pelo Departamento Federal de Saúde Pública. As outras 585 pessoas haviam sido identificadas pelo cantão, em particular pelos postos de turismo e pelos municípios, disse ele.

"Mas o número de 876 não reflete a realidade", disse Moix. "Faltam todas aquelas pessoas que não se reportaram às autoridades ou que não foram automaticamente incluídas nas listas durante uma verificação. Em Zermatt, por exemplo, de acordo com os dados coletados, havia 125 turistas desses dois países e em Verbier 114. Mas nós sabemos que há muitos mais".

Além disso, das 876 pessoas identificadas, 269 não puderam ser encontradas. "Sabemos que essas pessoas estavam no Valais, mas seu paradeiro exato é desconhecido", disse ele.

Até agora, sete casos da nova cepa britânica do coronavírus foram detectados na Suíça, incluindo um no Valais. "O paciente mencionado foi identificado e outras investigações estão em andamento", disse Moix.

Atos criminais?

Moix apontou que turistas da Grã-Bretanha ou da África do Sul não seriam rastreados após completar sua quarentena de dez dias e poderiam circular livremente pela Suíça.

"No momento, 351 das 876 pessoas que foram inicialmente identificadas ainda estão em quarentena. As outras terminaram seu isolamento e algumas voltaram para casa", disse ele.

O Valais levou o rastreamento dos turistas britânicos a sério desde o início, ressaltou Moix. Ele disse que o departamento de saúde do cantão havia enviado suas listas para a polícia cantonal, que realizou 150 verificações. Doze pessoas não estavam no endereço de quarentena dado, disse ele, acrescentando que elas poderiam ser denunciadas ao Ministério Público se fossem cometidas ofensas criminais.


Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.