Navigation

Porque a Suíça necessita de mão-de-obra estrangeira

Pandemia revela dificuldade de encontrar mão-de-obra especializada

A Suíça depende de mão-de-obra altamente qualificada formada em outros países. Mareen Fischinger

A Suíça é mercado de trabalho interessante para trabalhadores estrangeiros, sobretudo devido aos salários elevados. Porém restrições à imigração aumentam o problema da falta de mão-de-obra especializada. A pandemia irá mudar a situação?

Este conteúdo foi publicado em 01. junho 2021 - 16:00

Em abril, a empresa suíça de biotecnologia Lonza foi pressionada por atrasos em sua recém-inaugurada unidade de produção de ingredientes para a vacina Covid-19 desenvolvida pela firma Moderna. Os atrasos se deveram em parte a dificuldades no recrutamento de trabalhadores como engenheiros de bioprocessos e controladores de qualidade no cantão do sul do Valais. A empresa planeja preencher 1.200 novas vagas em Visp, uma cidade com cerca de oito mil pessoas.

Alguns meios de comunicação suíços sugeriram que o limite de trabalhadores estrangeiros, que no Valais é de 42 vistos de residência tipo “B” para 2021, tornou o recrutamento mais difícil. Um porta-voz da Lonza não confirmou a informação, mas reconheceu que encontrar pessoas com as qualificações certas tem sido um desafio por uma série motivos.

Embora o rápido aumento da produção de vacinas possa ser único, alguns políticos argumentam que as dificuldades de pessoal enfrentadas pela Lonza são outro sinal de que a Suíça precisa estar mais aberta à mão-de-obra qualificada fora da Europa, também conhecidas como cidadãos não pertencentes à UE/EFTA, se quiser permanecer competitiva como uma praça de negócios.

"A crise e o caso Lonza mostraram aos políticos como o problema é realmente sério quando se trata de talento", afirmou o ex-deputado Fathi Derder. As propostas para aliviar as restrições para estrangeiros qualificados que têm sido debatidas durante anos parecem estar ganhando mais apoio na esteira da pandemia.

Em 4 de maio, a Câmara dos Deputados suíça aceitou uma moção apresentada por Derder há dois anos pedindo que o atual sistema de cotas fosse substituído por um sistema de imigração mais flexível.

Alcançando a cota

Com base no Acordo de Livre Circulação de Pessoas com a EU, cujos aspectos estão em discussão como parte do acordo-quadro global, não há cotas para trabalhadores de países da UE e da Área Europeia de Livre Comércio (EFTA). A situação é diferente para os nacionais dos chamados países terceiros, como os Estados Unidos, Índia e China. Depois do Brexit, foram estabelecidas cotas separadas para os cidadãos britânicos.

As cotas para vistos de curto prazo (vistos L) e de residência (vistos B) para esses países (com exceção do Reino Unido) têm se situado na faixa de 6.500 a 8.500 por ano. Estas são estabelecidas com base em consultas com os cantões e fatos econômicos e políticos no país, de acordo com o escritório suíço de migração (SEM). Uma parte é distribuída aos cantões com base nas necessidades esperadas, e algumas são deixadas em uma reserva federal.

Conteúdo externo

Julia Stutzer, diretora de imigração para serviços globais de empregadores na empresa de consultoria Deloitte em Zurique, afirma que as cotas foram levantadas em 2017. Por isso o número total de cotas não foi a principal questão. Sua equipe de 20 pessoas solicita cerca de quatro mil permissões por ano na Suíça em nome de clientes, o que inclui muitas empresas multinacionais. Depois que a Deloitte recebe as solicitações, poucas são rejeitadas.

Entretanto, Alexa Mossaz, especialista em leis de imigração com a empresa de serviços jurídicos Legal Expat Switzerland, disse que o número de "vistos B fora da UE disponíveis não é suficientemente alto para cantões como Genebra, Vaud ou Zurique onde há grande demanda" devido à presença de multinacionais estrangeiras. Stutzer confirma esta afirmação dizendo que estes cantões geralmente atingem a sua cota já na metade do ano e recorrem então à reserva federal.

Vale a pena?

Segundo fontes, as empresas relutam em criticar o sistema atual por temerem perturbar as relações com os cantões, especialmente dadas as sensibilidades políticas sobre questões de imigração. Os eleitores suíços aprovaram por uma pequena maioria um plano para conter a imigração em massa em 2014, o que levou à reintrodução das cotas.

O diretor-presidente da Roche, Severin Schwan, surpreendeuLink externo em 2016 ao questionar por que o governo suíço reduziu as cotas para cidadãos de países terceiros, afirmando que metade dos funcionários do departamento de pesquisa da Roche vêm do exterior. Por detrás de portas fechadas, os gerentes das multinacionais podem ser vistos resmungando sobre como é difícil contratar pessoas de países não pertencentes à UE/EFTA.

Um estudo da Deloitte e da Câmara de Comércio Suíço-Americana publicado no ano passado constatou que a Suíça está perdendo terreno para outros países como praça atraente para as multinacionais se estabelecerem devido à complexidade de contratar jovens talentos estrangeiros.

Entretanto, as grandes empresas que são grandes geradoras de renda para os cantões ainda estão em melhor posição para obter licenças. Um porta-voz da Novartis disse em maio que recebe "vistos suficientes" para atender suas "necessidades confirmadas de imigração". 

Entretanto, os especialistas dizem que muitas empresas não querem correr o risco de submeter um pedido, a menos que estejam confiantes de que o candidato receberá uma autorização. Nesse meio tempo elas correm o risco de perder outros talentos.

Os cidadãos de países terceiros devem ser contratados somente quando "absolutamente necessário", de acordo com o governo suíço. As empresas devem seguir procedimentos rigorosos para mostrar que ninguém na Suíça e na Europa pode preencher a função.

"É um processo bastante longo solicitar um visto para alguém de fora da EU, e tem um preço", disse Nicolai Mikkelsen, que é o diretor executivo da filial da empresa de recursos humanos Michael Page, em Zurique. "Quando trabalhamos com headhunters, eles preferem não ver perfis de fora da UE, porque terão dificuldades de fazer com que sejam aprovados". Acrescentou que algumas empresas estão até mesmo desconfiadas de iniciar um processo de transferência interna porque temem que ele não seja aprovado.

Batalha por talentos

Stutzer, da Deloitte, observou que os requisitos para o visto são voltados para trabalhadores mais graduados e experientes, mas muitas empresas estão mais concentradas em qualificações essenciais que são difíceis de encontrar localmente. Tais candidatos não têm a trajetória profissional padrão. Por exemplo, as empresas farmacêuticas estão em uma batalha por novos e jovens talentos que possuem habilidades especializadas como análise de dados de pacientes do "mundo real" e inteligência artificial.

Um estudo da Spring Professional descobriu que, embora o desemprego tenha aumentado em algumas profissões na Suíça, a pandemia teve pouco impacto na escassez em áreas como engenharia, ciência da computação e medicina. Na verdade, ela "acentuou a escassez de qualificação em profissões altamente especializadas", como a tecnologia médica.

Paradoxalmente, algumas das pessoas que a Suíça está mais interessada em atrair enfrentam o momento mais difícil de obter vistos, como recém-formados de universidades suíças e empresários em áreas como engenharia, biotecnologia e ciência da computação.

"Mesmo em áreas como TI e desenvolvimento de software, onde temos uma 'guerra por talentos', os processos de vistos podem ser rejeitados", disse Franziska Schmid da Escola Politécnica Federal de Zurique (ETH).

Eric Burns, um americano que acaba de terminar seu doutorado em química na ETH e um pós-doutorado no Instituto Paul Scherrer, tem lutado para encontrar um empregador disposto a "patrociná-lo" para obter um visto. Ele teve ofertas de emprego de grandes empresas e foi cofundador de uma startup trabalhando em tecnologia de energia renovável. Após a graduação, seu visto B vinculado a seus estudos expirou e ele conseguiu obter um visto L de curto prazo. Se ele não receber uma permissão de residência nos próximos meses, ele terá que deixar o país, provavelmente levando seus planos de começar a trabalhar em outro lugar.

Burns, que vive na Suíça há mais de quatro anos, está disposto a considerar empregos que não estejam exatamente vinculados à sua área de estudo, mas não esperava que o processo fosse tão complicado. "É a incerteza que torna tão difícil planejar minha vida", disse. Se ele soubesse como seria difícil ficar aqui, Burns disse que não tem certeza de que teria vindo à Suíça para estudar.

Os graduados não qualificados da UE muitas vezes se encontram em uma situação difícil, disse a especialista em imigração Mossaz. Eles deveriam ter seis meses para procurar um emprego após seus estudos e serem contratados sob as mesmas condições que um suíço ou graduado da UE. Mas eles têm que demonstrar meios financeiros suficientes para obter este visto de curto prazo, o que é difícil sem um emprego e sem o acesso aos benefícios de desemprego.

Mudanças e agitadores

A situação é particularmente difícil para empresas menores, como as de biotecnologia ou as que iniciam a produção de software. Michael Altorfer, que dirige a Associação Suíça de Biotecnologia, afirma que todas as firmas estão competindo por um grupo muito pequeno de pessoas que sabem como assegurar financiamento externo, administrar uma linha de P&D e reservas de liquidez, e têm conhecimento de desenvolvimento clínico. Ele acha que a Suíça deveria explorar a ideia de um visto de empreendedorismo ou de startups, algo que já está disponível em países como os EUA, França, Canadá e Israel.

Mossaz explicou que as startups que desejam contratar um especialista de fora da EU têm que demonstrar sua importância econômica para o cantão. "Uma pequena empresa iniciante que não gere nenhuma receita é provável que fracasse no processo. A startup deve gerar receitas e demonstrar um forte potencial para a economia suíça nos 3 anos subsequentes a fim de cumprir os critérios de um visto", disse Mossaz.

Encontrar o equilíbrio perfeito

Os problemas na produção de vacinas trouxeram o problema do acesso a talentos aos mais altos escalões do governo. Em 19 de maio, o Ministro do Interior Alain Berset disse que o governo ajudou a recrutar 75 pessoas para preencher as lacunas de pessoal na empresa Lonza. Ainda mais trabalhadores serão necessários em Visp, pois a Lonza planeja dobrar a capacidade de produção suíça para a vacina COVID-19 da Moderna no próximo ano.

Qual seria a solução a longo prazo não está claro. Derder acredita que as cotas devem ser eliminadas, mas alguns grupos se preocupam que isto levaria ao dumping salarial, à pressão populacional e a uma maior competição por empregos.

Conteúdo externo

Em um artigo publicado no ano passado, a Deloitte e a Câmara de Comércio Suíço-Americana sugerem mudanças mais moderadas, como "vistos de inovação" para estudantes estrangeiros nos campos técnicos. Eles também propõem um sistema de certificação para "empresas confiáveis" para ajudar pessoal qualificado dentro de uma empresa a se mover mais facilmente, algo que a Holanda já colocou em prática.

O sistema suíço é confiável e funciona sob vários aspectos, disse Stutzer da Deloitte. "Nós não achamos que todo o sistema de imigração precise mudar. Mas ele precisa de mais digitalização e flexibilidade em cotas e processos para este pequeno grupo de pessoas que trazem para a Suíça o know-how muito necessário".

Derder vê a votação em 4 de maio como um passo à frente, mas a moção ainda precisa ser aprovada pelo Senado para ser aceita. Em março passado, o governo também concordou em preparar um relatório analisando algumas das opções para mudar as regras de imigração. Outras propostas também ganharam mais apoio nos últimos dois anos.

"Precisamos lutar para estar no topo". Não podemos dizer que sempre seremos ricos", disse Derder. "Deveríamos ter um tapete vermelho para os talentos do exterior". Devemos dizer: não vá para Israel ou para o Vale do Silício, venha para a Suíça".

Adaptação: DvSperling

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.