Navigation

Os ensinamentos da ciência sobre os efeitos climáticos

O aumento do calor, a mudança dos padrões de chuva e neve, as mudanças nas culturas e outras mudanças relacionadas ao clima aumentaram a probabilidade de que os incêndios comecem mais frequentemente e queimem mais intensa e amplamente do que no passado. Keystone / Brais Lorenzo

Durante anos, os cientistas alertaram sobre uma infinidade de riscos decorrentes da mudança climática desenfreada. Foi necessária uma pandemia para muitos líderes globais perceberem que tais ameaças eram reais e que os sistemas de resposta a crises não estavam preparados. Mas alguma coisa mudará?

Este conteúdo foi publicado em 29. maio 2021 - 10:00
Paula Dupraz-Dobias, swissinfo.ch

Um dos objetivos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), com sede em Genebra, é publicar relatórios sobre a relação entre a aceleração do aquecimento global e a atividade humana. Milhares de cientistas são consultados regularmente e os relatórios servem como uma referência importante para políticas, incluindo as cúpulas internacionais sobre o clima.

Em 2014, o IPCC introduziu uma seção sobre saúde e mudanças climáticas no relatório de avaliação daquele ano com um vasto estudo que avaliou uma ampla gama de informações científicas. O documento apontou para doenças infecciosas, como malária e dengue, disseminadas por mosquitos devido às temperaturas mais altas. Estudos anteriores do IPCC também abordaram a poluição do ar pela queima de combustíveis fósseis. Esses avisos vieram somados com alertas sobre secas, tsunamis, furacões e outros eventos climáticos extremos que ameaçam o abastecimento de alimentos e o acesso à água.

Maria Veira, diretora de Saúde Pública, Meio Ambiente e Determinantes Sociais da Organização Mundial de Saúde (OMS), disse que a ligação entre meio ambiente e doença agora é clara. “O fato de termos forte desmatamento, práticas agrícolas agressivas em alguns locais envolvendo pesticidas e fertilizantes, consumo e comercialização de animais silvestres e urbanização agressiva contribui para o espalhamento de vírus”.

Avisos da ciência

Sabe-se que o ebola, a SARS e o HIV também se originaram em animais, especificamente em regiões onde os humanos invadem os habitats dos animais por meio de práticas ambientalmente destrutivas. Um relatório inicial de uma equipe internacional de especialistas da OMS e da China que viajou para Wuhan sugeriu que a fonte mais provável do Covid-19 era o animal.

Ao longo dos últimos anos, muitos outros cientistas alertaram que as mudanças no uso da terra perturbam o equilíbrio da natureza e provocam doenças que passam de animais hospedeiros para humanos. Os avisos, no entanto, foram recebidos com indiferença por parte dos formuladores de políticas.

Espera-se que isso mude. Desde o início da pandemia, a Covid-19 lançou luz sobre a ligação entre o meio ambiente e as mudanças climáticas, explicitando os impactos da degradação ambiental na saúde.

“O IPCC meio que fotografa o cenário, de poucos em poucos anos, quando acontece algo que é tão perturbador que tem poder de mudar a maneira como pensamos sobre um assunto. Veremos muito mais disso mais tarde ”, disse Dario Piselli, consultor e pesquisador do Centro de Estudos Ambientais Internacionais em Genebra, indicando a profusão de relatórios científicos e documentos políticos que agora relacionam a pandemia, a saúde, o meio ambiente e o clima.

O painel internacional de ciências deve finalizar seu sexto relatório de avaliação no primeiro trimestre de 2022. Um porta-voz do IPCC disse à SWI swissinfo.ch que irá "avaliar a literatura sobre Covid-19 publicada até as datas limite", no final de julho de 2021.

Nos últimos meses, vários relatórios decorrentes da pandemia foram publicados, incluindo um relatório da ONU Meio Ambiente intitulado “Fazendo a Paz com a Natureza” em fevereiro. O documento faz uma síntese de várias avaliações globais em um esforço para enfrentar crises interligadas de meio ambiente e saúde.

Madre de Dios, Peru. Exemplo de como a intrusão do homem na natureza através do desmatamento para a mineração ilegal está perturbando os ecossistemas. swissinfo.ch

Enquanto isso, pesquisadores no Brasil alertaram que o desmatamento gerado pela agricultura e pela mineração na Amazônia, aliado ao aumento das temperaturas e mudanças de precipitação, agora elevam o risco do surgimento de novos vírus, dado que espécies passam a viver sob estresse.

Impulso pandêmico para a ação climática?

Embora tais relatórios possam ter gerado mais consciência pública e pressão sobre os líderes para intensificar ações de resposta, as negociações sobre o clima, entretanto, estiveram em suspenso desde a cúpula das Nações Unidas sobre mudanças climáticas COP25 em Madri, em dezembro de 2019.

Para Piselli, o foco na saúde durante a pandemia pode ajudar a impulsionar as negociações sobre o clima. “Por ser uma forma de dano tão perceptível e muito presente em nosso sistema jurídico, é um dos“ aliados” que podem nos ajudar a lutar nessa batalha contra as mudanças climáticas e exigir que o governo preste contas de seus compromissos.”

Recuada pela primeira vez logo após os delegados se reunirem em Madri, a Covid-19 posteriormente levou ao adiamento da sessão de acompanhamento da COP25 em Glasgow. Depois que a conferência na capital espanhola terminou decepcionada como a incapacidade dos Estados membros de chegarem a um acordo sobre um sistema global de comércio de carbono e sobre financiamento para países afetados pelas mudanças climáticas, alguns se preocuparam com a perda de ímpeto e a demora na ação.

Franz Perrez, embaixador da Suíça nas negociações climáticas da ONU, disse à SWI swissinfo.ch que a falta de negociações formais ou mesmo informais desde Madri é um "revés" e que atrasos devido ao adiamento de conversas presenciais dificultarão a obtenção de resultados ambiciosos em Glasgow. A COP26 está marcada para novembro.

No entanto, tem havido algumas atitudes proativas a nível nacional. Muitos países desenvolvidos aumentaram os compromissos em reduzir as emissões de carbono desde o início da pandemia. A Comissão Europeia disse que o pacote de estímulo da região colocaria a ação climática no centro da recuperação da União Europeia, enquanto uma ambiciosa lei climática da UE visa alcançar a neutralidade de carbono até 2050. Na Suíça, uma lei revisada de CO2 será votada em um referendo em junho, o que pode permitir ao país elevar as ambições e reconhecer as emissões causadas pelas importações do exterior.

Mas no geral, de acordo com estudos , as promessas globais ainda não são suficientes. Os compromissos atuais permitiriam que a temperatura média da Terra aumentasse 2,4 graus Celsius até 2100, em comparação com os níveis pré-industriais. Isso está muito acima do aumento de 1,5 grau Celsius que o IPCC adverte que provocaria riscos à "saúde, meios de subsistência, segurança alimentar, abastecimento de água, segurança humana e crescimento econômico".

Com os países desenvolvidos já atrasados ​​em uma promessa de 2009 de fornecer US $ 100 bilhões (CHF90,1 bilhões) anualmente em financiamento climático para os países mais pobres, o risco financeiro é um problema, pois os países estão gastando grandes somas de dinheiro em planos de recuperação econômica e de saúde.

“Nesse contexto, a pandemia afetou o objetivo e as perspectivas de longo prazo. Pode ser uma desculpa para não escalar a ambição, mas também colocou muita pressão sobre os países de baixa e média renda que estão com endividamento ou risco de endividamento, pois tiveram de antecipar recursos para a pandemia”, acrescentou Piselli.

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, pediu um aumento das finanças públicas internacionais para o clima, conforme previsto no Acordo de Paris.

O Embaixador Perrez disse que é importante aprender como o financiamento pode ser entregue e distribuído de maneira mais eficaz. “Precisamos olhar para os desafios tanto do lado do receptor quanto do doador e aprender sobre o que podemos fazer melhor, aumentando os valores gerais, o impacto e as ferramentas. Precisamos ainda olhar para todos os fluxos financeiros, incluindo fluxos privados e ver um forte compromisso em direção a isso. "

Um outro tratado

Um ano depois que a última assembleia de saúde da OMS emitiu prescrições para uma “recuperação saudável e verde”, Neira disse que sinais positivos precisam ser transmitidos às pessoas em meio à pandemia para que atitudes se concretizem.

"A sociedade não está preparada para ouvir alertas sobre a próxima crise, que já está aqui”, disse ela. “Se, em vez disso, falarmos em termos positivos e apontarmos  que enquanto a crise estiver aqui, se pudermos parar de poluir, criar uma transição para energia limpa e projetar as cidades de uma forma mais habitável, alcançaremos enormes benefícios para a saúde, a economia e a sociedade como um todo".

Recentemente, a OMS lançou a ideia de elaborar um tratado pandêmico “para construir uma arquitetura de saúde global mais robusta”.

Embora os detalhes do tratado ainda não sejam conhecidos, Veira disse que os riscos ambientais devem ser considerados. “Qualquer caminho a seguir precisa olhar para a saúde ambiental e os fatores de risco ambientais que, juntamente com a saúde animal, fazem parte de uma abordagem interconectada de saúde”.

Depois de esforços para angariar apoio financeiro de países ricos para concretizar a iniciativa Covax da OMS e juntar parceiros para ajudar os países mais pobres na vacinação, muitos países da linha de frente se preocupam com a urgência de agir de forma rápida e eficaz em relação às mudanças climáticas.

Mas, para o especialista da OMS, para garantir uma agenda básica de saúde pública global ainda falta percorrer um longo caminho, cheio de desafios. Segundo ela, muitas dessas recomendações já estão presentes no acordo climático global assinado em 2016 na capital francesa, incluindo redução de emissões e incentivos para diminuir o desmatamento.

“A mensagem é: se você está enfrentando as mudanças climáticas, o que você está fazendo é saúde pública. Se implementado, o Acordo de Paris terá benefícios fantásticos para a saúde e será uma vitória em muitas frentes.”

Adaptação: Clarissa Levy

Participe da discussão

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.