Navigation

Os Alpes suíços nunca estiveram tão quentes

O ano passado foi o mais quente da história para os Alpes suíços, e o segundo mais quente para toda a Suíça. Trata-se de uma tendência climática global que deixará algumas espécies em sério risco de extinção.

Este conteúdo foi publicado em 18. janeiro 2021 - 15:00

Já começou no inverno passado (dezembro de 2019 a fevereiro de 2020 em termos meteorológicos), que foi o inverno mais quente já registrado na Suíça. Em geral, 2020 foi extremamente quente e ensolarado, segundo MeteoSwiss, o Instituto Federal de Meteorologia e Climatologia.

Conteúdo externo

"Na maioria das áreas da Suíça, a temperatura anual de 2020 subiu de 1,4 a 1,6 °C acima da média registrada entre 1981 e 2010", informou a MeteoSwissLink externo no final do ano passado. Ou seja, o ano passado foi o segundo ano mais quente da Suíça depois de 2018.

Conteúdo externo

É claro que a Suíça não está sozinha. Globalmente, 2020 estava entre os três anos mais quentes registrados, segundo a Organização Meteorológica Mundial (WMO), que ainda está compilando dados.

"A temperatura média global em 2020 deve estar cerca de 1,2 °C acima do nível pré-industrial (1850-1900)". Há pelo menos uma chance em cinco de ultrapassar temporariamente 1,5 °C até 2024", disse o Secretário-Geral da WMO Petteri TaalasLink externo no início de dezembro.

Conteúdo externo

Todos os anos, desde 2015, têm estado entre os mais quentes já registrados, de acordo com as estatísticas da WMO. Dezembro de 2020 marcou o quinto aniversário do Acordo de Paris sobre Mudança Climática - quando as nações do mundo concordaram em tentar manter o aumento da temperatura global "bem abaixo de 2 °C" em comparação com os níveis pré-industriais.

"Saudamos todos os compromissos recentes dos governos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa porque atualmente não estamos no caminho certo e são necessários mais esforços", disse Taalas da WMO.

Geleiras derretidas, gafanhotos migrantes

Quanto mais quentes ficam os Alpes, menores se tornam suas geleiras. Desde 1850, a massa das geleiras alpinas diminuiu cerca de 60%, e o derretimento acelerou-se nos últimos anos. Sob um cenário de forte aquecimento, "os Alpes estariam em sua maioria totalmente desertos de gelo até 2100", disseram cientistas do Instituto Federal Suíço de Tecnologia ETH Zurique e do Instituto Federal Suíço de Pesquisa Florestal, Neve e Paisagem (WSL) em um estudo de 2019Link externo. Este desenvolvimento aumenta o risco de desastres naturais como inundações repentinas ao mesmo tempo em que reduz as reservas de água potável.

Ao mesmo tempo, o aquecimento em alta altitude perturba o equilíbrio da flora e da fauna. Plantas que antes não conseguiam sobreviver acima de certas altitudes estão subindo as montanhas e competindo com a flora alpina por espaço e nutrientes. Isto, por sua vez, afeta as espécies que dependem delas por alimento e abrigo.

Em um estudo recente, pesquisadores da WSL trouxeram gafanhotos normalmente encontrados em altitudes médias para os Alpes. Lá eles observaram seus hábitos alimentares e concluíram que o aquecimento global poderia "perturbar o equilíbrio ecológico porque os animais móveis, incluindo muitos insetos herbívoros, podem expandir seu habitat para maiores altitudes mais rapidamente do que as plantas sedentárias", e que "insetos de altitudes mais baixas poderiam, portanto, se sentir à vontade em habitats alpinos com plantas residentes insuficientemente ou nada preparadas para se defenderem contra esses novos herbívoros. Isso pode mudar a estrutura e o funcionamento atual das comunidades de plantas alpinas como um todo".

Outro resultado do aquecimento global é que as árvores nos Alpes estão entrando em folha mais cedo do que antes. De acordo com a WSL, o desenvolvimento prematuro de folhas e agulhas é problemático para o desenvolvimento e funcionamento dos ecossistemas florestais.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.