Navigation

ONU pede à Suíça que acolha mais refugiados afegãos

Uma menina afegã, uma das 41 refugiadas, embarca em um avião na Grécia com destino a Portugal na terça-feira. Keystone / Yannis Kolesidis

O Alto Comissário da ONU para Refugiados (ACNUR) enviou uma carta ao Ministro das Relações Exteriores suíço Ignazio Cassis pedindo à Suíça que aceitasse mais pessoas fugindo do Afeganistão.

Este conteúdo foi publicado em 01. outubro 2021 - 07:15
swissinfo.ch/fh

Na carta, enviada na quarta-feira, Filippo Grandi pediu ao governo que aceitasse mais refugiados afegãos que se deslocam para os países vizinhos Paquistão e Irã ou mesmo Turquia, disse o ACNUR Suíça na quinta-feira.

Pedidos similares também haviam sido enviados aos países da UE. O objetivo é melhorar a partilha de encargos, de acordo com o ACNUR Suíça. A necessidade de ajuda é muito maior do que a capacidade nos países da primeira recepção, disse.

O Ministério das Relações Exteriores confirmou à Agência Suíça de Notícias Keystone-SDA que tinha recebido uma carta assinada por Grandi "a respeito do Afeganistão". No entanto, não quis comentar sobre o conteúdo.

Cota suíça

Em agosto, a Suíça concordou em acolher cerca de 230 refugiados afegãos, mas hesitou quando solicitada a aumentar esta cota.

"Temos que ser realistas", disse a Ministra da Justiça Karin Keller-Sutter em 18 de agosto. "Fornecer ajuda no local e assegurar a evacuação de cidadãos suíços e funcionários locais da agência de desenvolvimento suíça têm prioridade para o governo".

Ela disse que o governo examinaria os pedidos adicionais de asilo caso a caso, e ela não descartou a aprovação de um contingente maior de refugiados em um estágio posterior.

Os 230 refugiados afegãos - funcionários locais da agência de desenvolvimento suíça e suas famílias - fazem parte de um contingente total anual de 800 pessoas vulneráveis de conflitos ao redor do mundo a serem concedidas asilo na Suíça este ano.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.