Navigation

Novos ministros tomam posse na Argentina após guinada no governo

Casa Rosada, a sede da Presidência argentina, em Buenos Aires 20/09/2021 REUTERS/Agustin Marcarian reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. setembro 2021 - 21:51

BUENOS AIRES (Reuters) - Cinco novos ministros, incluindo o chefe de gabinete do governo da Argentina, tomaram posse nesta segunda-feira, em uma tentativa do governo peronista de superar a crise política provocada por uma derrota expressiva nas eleições primárias legislativas.

Os novos ministros são em sua maioria experientes gestores peronistas, o que indica que o governo de centro-esquerda priorizou a capacidade de gestão sobre a ideologia para superar as divisões políticas dentro da administração durante a grave crise econômica pela qual passa o país.

As mudanças foram anunciadas na sexta-feira, depois de dias de tensão por conta de uma disputa entre o presidente Alberto Fernández e sua vice, a poderosa ex-presidente Cristina Kirchner, que representa a ala mais à esquerda da coalizão Frente de Todos. 

Segundo especialistas, a renovação do gabinete representa uma vitória da vice-presidente, que pressiona por investimentos públicos maiores para lidar com a pobreza, que assola 42% da população do país, contra Fernández, que tenta estabilizar a economia para reduzir a alta inflação.

O governo espera diminuir nas eleições legislativas de novembro a diferença de 9 pontos percentuais que a aliança de oposição de centro-direita Juntos pela Mudança conseguiu há oito dias nas primárias.

"O governo necessita reverter o resultado em algumas províncias que elegem senadores, para não perder o quórum. Isso requer dividir muito dinheiro. Para isso, precisa de ministros experientes... a ideologia é secundária", explicou o analista político Andrés Malamud.

O governador Juan Manzur irá assumir como chefe de gabinete, o ex-ministro Aníbal Fernández como titular da pasta de Segurança, o experiente Julián Domínguez assume a Agricultura, Jaime Perzyck, a Educação, e Daniel Filmus será o novo ministro de Ciência. Santiago Cafiero, que até hoje era chefe de gabinete, passa a ser o novo chanceler argentino.

Os mercados financeiros seguiam com atenção a crise política e na segunda-feira voltavam a cair por conta de incertezas sobre o futuro da política econômica.

Enquanto tenta sair de uma recessão que já dura três anos, o governo argentino negocia com o Fundo Monetário Internacional (FMI) o pagamento de uma dívida de 44 bilhões de dólares. 

Por mais que as primárias tenham definido alguns poucos candidatos e não tenham grandes resultados institucionais, são consideradas um plebiscito sobre a gestão presidencial e uma pesquisa ampla que antecede as eleições de meio de mandato, que acontecem em novembro. 

(Reportagem de Nicolás Misculin) 

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.