Navigation

Nicarágua: Suíça amplia a lista de funcionários sancionados

O presidente da Nicarágua Daniel Ortega e a vice-presidente Rosario Murillo durante um comício em Manágua, em julho de 2018. Keystone / Bienvenido Velasco Blanco

O governo helvético sanciona oito altos funcionários nicaraguenses, incluindo a vice-presidente do país, Rosario María Murillo Zambrana. A lista também foi publicada pela União Européia (UE).

Este conteúdo foi publicado em 13. agosto 2021 - 19:00
Keystone-SDA/SECO/Reuters/ilj

A mudança ocorre em um momento de isolamento internacional do presidente Daniel Ortega, acusado de reprimir opositores e a mídia no país centro-americano. O político está no poder há 15 anos.

No total, oito pessoas foram acrescentadas à lista de sanções da Suíça, como fez a UE em 30 de julho de 2021. Ela inclui Murillo, que também é esposa do presidente Ortega, e seu filho Juan Carlos Ortega Murillo.

Também de acordo com a UE, a Suíça impôs sanções a seis pessoas no país centro-americano em junho de 2020, todas elas ligadas ao presidente Ortega.

"A razão dessa decisão é que a Suíça compartilha das preocupações da UE com as contínuas violações da democracia de direitos humanos e do Estado de direito na Nicarágua", declarou uma porta-voz da Secretaria de Estado para Assuntos Econômicos (SECO) na sexta-feira.

"Estas razões ainda hoje se aplicam. É por isso que a Suíça também se alinha a mais recente modificação da lista de sanções da UE".

Mãe e filho

Rosario María Murillo Zambrana, também líder da Juventude Sandinista teve um papel fundamental na repressão policial contra políticos da oposição em 2018, disse a SECO em um documento relacionado às sanções. Ela também ameaçou políticos e desacreditou jornalistas em julho deste ano.

Ortega Murillo dirige o Canal 8, uma das principais estações de televisão do país. Também é líder do Movimento Sandinista. Sua posição contribuiu para a restrição da liberdade de expressão e de imprensa, de acordo com a SECO.

As demais pessoas envolvidas ocupam altos cargos nos setores político, judicial ou policial do país.

"As medidas adotadas são dirigidas a indivíduos especificamente designados e não contra o povo da Nicarágua como um todo". Portanto, não têm impacto sobre a população civil da Nicarágua", enfatizou a porta-voz da SECO.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.