Navigation

Número de casos de asilo acelerado diminui

Keystone / Francesca Agosta

Após críticas de grupos de defesa dos direitos e duas advertências de um tribunal federal, a Secretaria de Estado para as Migrações (SEM) da Suíça tem reduzido o número de procedimentos acelerados de asilo.

Este conteúdo foi publicado em 22. julho 2021 - 16:58
swissinfo.ch/fh

Na quinta-feira, a SEM confirmou uma notícia da rádio pública suíça SRF, observando que os casos acelerados estavam diminuindo de ritmo, com procedimentos mais longos se tornando proporcionalmente mais comuns.

Entre março e dezembro de 2019, 2.523 casos foram acelerados; para todo o ano de 2020 (um ano em que os pedidos de asilo geralmente caíram devido à pandemia) o número foi de 2.629; para a primeira metade de 2021 foi de 1.369.

Ao mesmo tempo, os procedimentos completos têm aumentado: de 453 em 2019 para 1.575 em 2020 e já 1.535 em 2021.

Uma audiência completa pode durar cerca de um ano. O procedimento acelerado é limitado a 140 dias, após os quais os casos rejeitados têm sete dias para apresentar um recurso.

Críticas

O Tribunal Administrativo Federal repreendeu duas vezes a SEM por enviar injustificadamente casos para a via acelerada, cujo objetivo é evitar procedimentos demorados que mantêm os requerentes de asilo à espera, sem possibilidade de trabalhar ou de se integrar à sociedade.

No ano passado, o chefe do Conselho Suíço para Refugiados disse que o sistema não estava funcionando tão bem quanto se esperava e que "as autoridades [estavam] colocando o foco na aceleração do processo, em detrimento da qualidade e da justiça".

Na quinta-feira, a secretaria para migrações disse à agência Keystone-SDA que, desde o lançamento do sistema acelerado em 2019, ela havia esclarecido e reforçado os critérios para o acompanhamento rápido de um caso.

Os cidadãos suíços aprovaram os procedimentos acelerados em um referendo nacional em 2016.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.