Navigation

Moçambique exige anistia de US$ 2 bilhões em dívidas com Credit Suisse

O banco suíço foi multado em mais de CHF 400 milhões por sua participação em um esquema de corrupção em Moçambique. Keystone / Ennio Leanza

Um organismo de vigilância das finanças públicas de Moçambique está exigindo um alívio total da dívida estimado em US$2 bilhões (CHF 1,8 bilhões) do Credit Suisse, ou seja, dez vezes mais do que o gigante bancário suíço está disposto a amortizar.

Este conteúdo foi publicado em 22. outubro 2021 - 14:00
Various/swissinfo.ch/ds

"A admissão de responsabilidade do Credit Suisse, o não cumprimento da lei (...) e o envolvimento dos funcionários em suborno ressalta a legitimidade da exigência de cancelamento total da dívida ilegal", disse o Fórum de Monitoramento Orçamentário (FMO), uma coalizão de grupos da sociedade civil que se ocupam da prestação de contas das finanças públicas.

A declaração foi feita em resposta a um acordo alcançado pelo banco suíço com os reguladores em vários países em relação a um esquema de corrupção em Moçambique, informou quinta-feira a agência de notícias Keystone-SDA. Não houve nenhum comentário imediato do Credit Suisse.

Na terça-feira, sob um acordo alcançado pelas autoridades americanas e britânicas, o Credit Suisse concordou em perdoar US$ 200 milhões em dívidas com a nação africana.

Os encargos referem-se aos quase US$1 bilhão em ofertas de títulos e um empréstimo sindicado que o Credit Suisse ajudou a organizar entre 2013 e 2016. Os fundos foram destinados a financiar uma indústria estatal de pesca de atum e a desenvolver a segurança marítima em Moçambique.

As autoridades americanas descobriram que o Credit Suisse violou as leis de suborno dos EUA, informou a Bloomberg na terça-feira. Grande parte dos chamados "títulos do atum" foram desviados via comissões para o Credit Suisse e autoridades moçambicanas, disseram eles.

Em um caso separado, a Autoridade de Supervisão do Mercado Financeiro Suíço FINMA disse ter encontrado "sérias deficiências organizacionais" em um inquérito sobre um caso de espionagem no Credit Suisse que eclodiu há dois anos.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.