Navigation

Mafia italiana extravia ajuda suíça para a Covid

Um "carabiniere" italiano segura o busto contendo as cinzas do mafioso Emanuele Sibillo, morto em uma emboscada em Nápoles, Itália. Keystone / Ciro Fusco

A máfia italiana encontrou maneiras de roubar milhões da Suíça durante a pandemia do coronavírus, informou na quarta-feira a emissora pública RTS. 

Este conteúdo foi publicado em 12. maio 2021 - 15:30
swissinfo.ch/fh

"Constatamos que o dinheiro destinado às empresas como empréstimos de ajuda à Covid vai muito rápido para o exterior", diz Nicoletta della Valle, diretora do Departamento Federal de Polícia (Fedpol). "São os bancos que nos relatam esses movimentos". 

Até hoje, o Escritório de Relatórios de Lavagem de Dinheiro da Fedpol (MROS) estima que pelo menos CHF180 milhões (US$199 milhões) foram desviados de empréstimos do governo para compensar os danos financeiros da pandemia do coronavírus. É pouco provável que esse dinheiro retorne à Suíça. 

Os responsáveis pela aplicação da lei anti-mafia também se preocupam que a máfia italiana possa se beneficiar substancialmente dos fundos da União Europeia destinados à Itália para a recuperação da Covid (CHF220 bilhões). Na Sicília, a poderosa organização comercial italiana Confcommercio afirma que a Cosa Nostra está prestes a tomar conta de toda a economia da ilha. 

Presença subestimada 

O fenômeno continua sendo difícil de ser detectado na Suíça. Mas a Fedpol fala de múltiplas formas de crime: tráfico de armas, tráfico de pessoas, drogas, dinheiro falso, recebimento de mercadorias roubadas e lavagem de dinheiro. 

"Subestimamos isso há muito tempo", principalmente porque esses crimes são processados em nível cantonal, diz della Valle. "Nós os tratamos, eu diria, como crimes normais, e não vimos os laços mafiosos. E agora, com o tempo, após analisar antigos registros de processos criminais, percebemos, por exemplo, que não se tratava de um homicídio, mas de um assassinato ligado à máfia". 

A análise policial ajudou a revelar a amplitude e a profundidade das atividades da máfia na Suíça. Os promotores cantonais confirmaram à RTS que os casos de assassinato, fraude e tráfico de armas em Zurique e na Suíça de língua italiana sugerem ligações com a 'Ndrangheta' calabresa. 

Em Genebra, de acordo com reportagens realizadas pela RTS, a máfia fez incursões nos setores da construção civil, drogas e lavagem de dinheiro.  

"A presença da máfia italiana na Suíça data de mais de 40 anos", diz o chefe da Fedpol. "Seus antigos chefões vieram para a Suíça, para a Turgóvia, Biena e Berna. E agora são seus netos que estão começando a fazer negócios, eles estão por toda a Suíça. Há até mesmo mafiosos que falam melhor suíço-alemão do que italiano".  

Algumas reportagens da mídia falam de 400 pessoas ligadas à máfia na Suíça. Mas, segundo fontes da RTS, esta é apenas a ponta do iceberg. 

Para entender melhor o fenômeno da máfia na Suíça, a Universidade da Suíça Italiana inaugurou na quarta-feira um Observatório do Crime Organizado. 

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.