Navigation

Lixo nuclear novamente enjeitado

Protestos precederam o referendo Keystone

Há quase 30 anos autoridades suíças buscam local para lixeira de dejetos radioativos. Eleitores acabam de dizer "não" ao último projeto, no centro do país.

Este conteúdo foi publicado em 24. setembro 2002 - 11:38

Volta-se à estaca zero, com poucas perspectivas de solução...

Em virtude da democracia direta suíça e de um sistema federalista em que os estados são fortes, apenas 28 mil eleitores do minúsculo cantão (estado) de Nidwalden - centro - puderam recusar um projeto de prospecção para depósito de lixo nuclear. Um projeto de âmbito nacional.

Trata-se da segunda recusa em 7 anos pelo mesmo cantão de Nidwalden.

Na primeira vez, em 1995, a agência governamental incumbida da tarefa - batizada de NAGRA - queria perfurar no pé da montanha de Wellenberg um depósito definitivo. Mas 52% dos eleitores já disseram "não".

Desta vez, tratava-se apenas de uma "galeria de sondagem". A rejeição foi mais nítida: 57%.

Um quebra-cabeça

Nesse meio tempo o lixo produzido por 5 centrais nucleares suíças (responsáveis por 40% do abastecimento em energia elétrica do País) vai se acumulando. Chegava a 4.358 metros cúbicos, segundo dados válidos para o fim do ano passado.

A NAGRA volta as atenções para a região de Weinberg, no cantão de Zurique. Corre, porém, o risco de sofrer novo revés em referendo popular.

Assim a bola está no campo dos políticos. E justamente em debate parlamentar sobre energia nuclear, o Senado sugeriu tirar o direito de referendo dos cantões. Mas na segunda-feira 23/9, a Câmara propôs justamente normas que acabam reforçando o poder cantonal na matéria.

A esperança, frustrada, do presidente de NAGRA, Hans Issler é que "uma nova lei definisse claramente as responsabilidades dos estados e governo". Provavelmente ele vai ter que esperar muito.

Tranqüilidade

A conclusão é que no momento ninguém quer esse defunto incômodo.

Por enquanto a indústria nuclear continua tranqüila. Os 4 mil e tantos metros cúbicos de materiais fraca-média-e-altamente radioativos continuam estocados na localidade de Würenlingen, no cantão de Berna e nos depósitos das cinco centrais nucleares do País.

Os industriais do ramo garantem haver capacidade de estocagem para até meados do século.

Quanto à NAGRA, ela estima que uma solução definitiva não se consiga antes de 2040. E o presidente da agência, Hans Issler confia que até lá se encontre solução definitiva para o "defunto".

swissinfo

Breves

- 40% da energia elétrica é de orígem nuclear na Suíça
- a vida das 5 centrais nucleares é limitada a 40 anos
- será cobrada uma taxa sobre o nuclear para promover energias alternativas
- cantões manterão direito de veto em matéria nuclear

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?