Navigation

Leite de vaca pode prevenir asma

"Os filhos dos pequenos produtores de leite são mais saudáveis" e não é apenas hipótese (Imagen: Marco Waser)

Crianças que começam cedo a tomar leite fresco têm reduzido o risco de alergias em idade escolar.

Este conteúdo foi publicado em 28. fevereiro 2007 - 15:09

No entanto, ainda não se sabe ao certo porque cresce o número de crianças alérgicas. Para tentar encontrar uma explicação, pesquisadores suíços em Basiléia (noroeste) realizaram um estudo com 14 mil crianças.

O leite de vaca tem má fama como alimento infantil. Do ponto de vista alimentar, não tem o mesmo valor fisiológico do leite materno. Crianças que foram alimentadas muito tempo somente com leite de vaca freqüentemente apresentam deficiências de ferro.

No entanto, descobre-se agora elementos positivos no leite de vaca. Em um estudo feito pelo Instituto de Medicina Preventida e Social de Basiléia (noroeste da Suíça), o epidemiologista Marcao Waser e sua equipe observaram que as crianças com menos de um ano que tomaram leite de vaca fresco, fervido ou não, reduzem de 30% a possibilidade de ter asma. Além disso, diminuem de 40% a incidência de alergia ao pólen, muito comum na Europa.

"Notamos que o efeito protetor foi maior nas crianças que consumiram leite de vaca fresco", explica Waser.

Não é preciso morar na roça para ter leite fresco

A constatação foi feita a partir do estudo Persifal realizado com 14 mil crianças. "O surpreendente é que efeito de proteção do leite fresco não depende da criança morar ou ou não em uma fazenda", afirma Marco Waser. Isso abre novas perspectivas para a adoção de medidas profilácticas".

A asma é atualmente uma das doenças mais freqüentes nos países industrializados, juntamente com as alergias ao pólen e por isso há interesse pelo fenômeno. Entre as causas, costuma ser mencionada a poluição, as mudança dos hábitos alimentares e do modo de vida das pessoas. A hipótese da higiene também tem muitos adeptos que afirmam que o fato de viver em um meio exageradamente limpo deixa de estimular o sistema imunológico nas primeiras fases da vida da criança.

"A hipótese da higiene para ser sólida", afirma Roger Lauener, pediatra especialista em alergia no Hopital Infantil de Zurique. Ele é um dos especialistas mais reconhecidos nessa área. Esta hipótese também sustenta que as crianças que vivem no campo são mais saudáveis.

"De outros estudos sabemos que as crianças que têm irmãos maiores contraem menos alergias. Tudo indica que isso ocorre porque contraem mais doenças infecciosas como, por exemplo, os resfriados. O mesmo ocorre com as crianças que freqüentam creches. A razão seria o reforço do sistema imunológico.

Ainda falta muito a descobrir

No que diz respeito ao efeito protetor do leite de vaca, ainda falta muito a esclarecer. É possível que neste caso também ocorra a influência de uma concentração de micróbios. O surpreendente é que esse estudo mostra que não há diferença entre o consumo de leite fresco, fervido ou não. Além disso, segundo o estudo, o consumo de outros produtos fescos com frutas e verduras não teria qualquer efeito nas alergias.

Por isso, discute-se também o efeito de outros componentes lácteos,, além dos micróbios, como por exemplo o ácido graxo Omega 3.

Espera-se que a pesquisa dê resultados mais consistentes do que o estudo Pasture, em que foi estudada a evolução das alergias em 500 crianças durante quatro anos, em outros ambientes. Também foram avaliados o efeito do leite materno e do leite de vaca.

Leite de vaca a partir dos dois anos

Antes que se saiba mais sobre o assunto, não é recomendado mudar o regime alimentar aplicado até agora das crianças que amamentam. Apesar das normas cada vez mais severas aplicadas ao leite de vaca não pasteurizado, persite o risco de germes perigosos como a salmonela ou Escherichia coli, infecções graves que podem causar danos permanentes no organismo. Outro risco é dos bebês desenvolverem uma alergia à proteína contida no leite de vaca.

A recomendação dos pediatras suíços é que a criança tome leite de vada a partir dos dois anos. É uma forma de evitar a maioria das infecções possíveis, mesmo que aparentemente se perca grande parte do aspecto preventivo das alergias. "Esses efeitos têm um papel significativo nos primeios anos de vida", afirma Lauener.

swissinfo, Matthias Meili

Breves

O grupo de trabalho "alergia e meio ambiente" do Instituto de Medicina Preventiva e Social de Basiléia particia de diversos estudos internacionais sobre o desenvolvimento das alergias.

End of insertion

Uma alergia é uma deficiência do sistema imunitário.

Parte desse sistema reage de forma hipersensível ao contato com partículas inofensivas do meio-ambiente.

Ninguém nasce com alergia mas as adquire durante a vida.

Na Suíça, 10% das crianças têm asma e 33% dos suíços são alérgicos.

O chamado pólen de pasto é o fator que mais provoca alergias, segundo pelos ácaros, pólen de flores e pêlo de gato.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.