Navigation

Joe Biden é criticado por usar Rolex

A cerimônia de juramento de Joe Biden em Washington. Keystone / Saul Loeb / Pool

Em sua posse, o novo Presidente dos Estados Unidos Joe Biden usava um Rolex. A escolha desta marca de relógio, que se tornou um símbolo de luxo e até de ostentação, atraiu críticas da mídia nacional e internacional. Mas ele não é o primeiro homem poderoso do mundo a provocar controvérsia sobre suas escolhas de relojoaria. 

Este conteúdo foi publicado em 03. fevereiro 2021 - 15:00

Em 20 de janeiro, Joe Biden tomou posse em Washington, tornando-se o 46º Presidente dos Estados Unidos. Ele o fez colocando sua mão esquerda sobre a bíblia. Observadores atentos desta cena transmitida pela televisão ao redor do mundo notaram então que acima desta mão estava um relógio suíço em volta do pulso presidencial. Mais precisamente, um Rolex de aço azul Datejust.

Os relógios dos presidentes

A escolha deste relógio foi amplamente comentada. Em fóruns de fãs de relógios, é claro, mas não só. A mídia de prestígio também fez eco a isso. Assim, em um artigo dedicado ao assunto, o New York TimesLink externo descreveu Joe Biden como um "Watch Geek in Chief". Quanto ao jornal francês Le FigaroLink externo, em um artigo intitulado "Agora Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden se dá um Rolex", ele se perguntava se um novo trabalho implicava um novo relógio.

Desde que eles deixaram os bolsos para serem exibidos nos pulsos, os relógios são exibidos para o público. O primeiro presidente americano a usar um relógio de pulso foi Franklin Delano Roosevelt (1933-1945). Desde então, os gostos dos presidentes na relojoaria têm sido analisados e comentados regularmente.

Antes de tudo, pode-se ver que os presidentes têm usado com muita frequência relógios suíços. E entre eles, duas marcas parecem ser particularmente apreciadas e podem ser descritas como "relógios dos presidentes".

A primeira é VulcainLink externo, de Le Locle, no cantão de Neuchâtel. Seu modelo "Cricket", que incorporou um alarme mecânico, foi muito usado pelos presidentes Truman, Eisenhower, Johnson e Nixon. Ainda hoje, a marca ainda oferece um relógio a cada novo inquilino da Casa Branca.

A outra marca que acompanha muitos presidentes americanos é a Rolex. O primeiro a usar um foi Eisenhower (1953-1961). Mas foi também o caso de Kennedy, Johnson, Reagan e mais recentemente de Donald Trump.

Dwight D. Eisenhower foi o primeiro presidente americano a usar um Rolex. White House Photograph Office

Uma questão de imagem

A escolha de Joe Biden não é, portanto, à primeira vista, inconveniente. Em comparação com os belos relógios usados por Vladimir Putin, o relógio do novo presidente americano parece até "modesto". Feito de aço, o modelo visto na inauguração custa 7500 francos, de acordo com a configuraçãoLink externo feita no site da Rolex, o que não é nada extravagante para o homem à frente da principal potência mundial.

Entretanto, Rolex é também - e talvez acima de tudo - uma questão de imagem. Apesar de haver relógios muito mais caros e prestigiados, a marca de Genebra muitas vezes aparece como um símbolo de luxo ostensivo. O uso de um desses relógios se presta rapidamente a críticas, especialmente em tempos de dificuldades econômicas.

O exemplo mais famoso deste problema está relacionado a Nicolas Sarkozy. Muitas vezes associado a uma imagem "bling-bling", o ex-presidente francês havia sido criticado por usar um cronógrafo Rolex Daytona. Querendo justificar a escolha do presidente, o marketeiro francês Jacques Séguéla jogou mais gasolina na fogueira declarando: "Se, aos 50 anos, você não tem um Rolex, você fracassou na vida". A frase foi um sucesso e ficou na lembrança do público desde então.

Discreção

Na França, os sucessores de Nicolas Sarkozy parecem ter aprendido a lição. Assim, François Hollande se apresentou com um simples Swatch no valor de cem euros. Quanto ao atual presidente, Emmanuel Macron, ele favorece a produção nacional, por exemplo um relógio LIPLink externo com uma pulseira da OTAN nas cores francesas.

Também nos Estados Unidos, além de Donald Trump, os últimos presidentes têm mantido um perfil baixo em termos de relojoaria de luxo. Bill Clinton e George W. Bush usavam relógios TimexLink externo, uma marca americana de nível básico. Quanto a Barack Obama, ele usava um TAGHeuer suíço antes de sua candidatura, depois um Jorg GrayLink externo americano oferecido pelo serviço secreto durante seus mandatos. Deve-se notar que desde que deixou a Sala Oval, o ex-presidente tem sido visto usando um Rolex Cellini, um dos modelos mais caros da marca baseada em Genebra.

Para um presidente, um relógio também acaba sendo, uma hora ou outra, um programa político. Antes de sua eleição, Joe Biden foi visto regularmente com relógios Omega, Seiko e Apple. Resta saber qual relógio será seu relógio favorito como presidente. Por que não o Apple Watch? É americano e parece decididamente moderno. Há apenas um problema, porém: não é certo que um produto fabricado na China esteja realmente em voga na Casa Branca.

Adaptação: Fernando Hirschy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.