Navigation

Gigantes de commodities correm para limpar suas cadeias de abastecimento mineral

Massive nickel mining projects are underway on New Caledonia. Last year, plans to sell a major nickel mine to a foreign consortium led by Trafigura faced major local opposition. © Biosphoto / Thibaut Vergoz - Droit Géré - Oeuvre Protégée Par Copyright

Em meio ao boom da energia verde, gigantes de commodities correm para limpar suas cadeias de abastecimento mineral.

Este conteúdo foi publicado em 06. outubro 2021 - 12:00

Os fabricantes de carros elétricos e outras empresas de energia verde estão tentando controlar suas cadeias de abastecimento de minerais. Ao fazer isso, eles estão tirando os comerciantes de commodities das sombras.

Para atender às metas globais de mudança climática, espera-se que a demanda por minerais e metais como cobalto, cobre e níquel usados ​​em tecnologias verdes como baterias recarregáveis ​​cresça exponencialmente. A Agência Internacional de Energia (IEA) estima que a quantidade de insumos minerais deve crescer mais de seis vezes, para que se atinja a meta de emissões líquidas de gases de efeito estufa de 2040. Para alguns materiais como o lítio, a demanda pode aumentar até 40 vezes.

Conteúdo externo

Mas, à medida que as empresas lucram com o boom mineral, cresce o ceticismo sobre as credenciais de sustentabilidade por trás dos grandes projetos de mineração, considerados essenciais para a transição para a energia verde. Muitos minerais estão concentrados em poucos países e a busca por garantir o que sobrou deles está levando empresas a regiões mais remotas, como o alto dos Andes e o Ártico, criando novos desafios sociais e ambientais.

“Uma mudança verde pode ser usada como um argumento para estabelecer uma nova indústria que leve à repressão das práticas de negócios dos povos indígenas”, disse Aili Keskitalo, presidente do parlamento Sami, a uma audiência no Simpósio de Economia Verde da Suíça (SGES), semanas atrás. O povo Sami, único povo indígena oficialmente reconhecido na Europa, tem lutado contra a construção da primeira mina de cobre eletrificado com emissão zero do mundo no norte da Noruega.

Ações judiciais, protestos violentos e protestos públicos sobre a rápida expansão dos projetos de mineração em muitas partes do mundo levaram os fabricantes de carros elétricos e empresas de energia verde a examinar ainda mais suas cadeias de suprimentos de minerais e metais. As leis propostas pela União Europeia são estímulo adicional para os fabricantes de baterias encararem os riscos sociais da cadeia de fornecimento de baterias.

Um elo fundamental da cadeia de produção são as empresas suíças de commodities, como Glencore, Mercuria e Trafigura, que extraem, processam, despacham e vendem metais. Cerca de 60% do comércio internacional de metais básicos como zinco, cobre e alumínio é feito na Suíça, com algumas companhias como Glencore também envolvidas na extração. Mesmo que nunca cheguem ao solo suíço, muitos metais e minerais, especialmente para minas menores, passam pelas mãos de negociantes de commodities suíços.

“A oferta é limitada. A indústria como um todo e a Glencore em particular estão trabalhando duro para desenvolver projetos para atender à demanda”, disse Anna Krutikov, chefe de desenvolvimento sustentável da Glencore durante um painel de discussão no SGES. “Como procuramos fornecer novos materiais, o risco de cortar atalhos está na cabeça das pessoas”, comentou.

À medida que empresas de tecnologia verde como a Tesla levam esses riscos mais a sério, muitas estão atribuindo critérios rígidos de rastreabilidade e sustentabilidade ao fornecimento de matérias-primas que têm efeito cascata sobre os comerciantes de metal.

Conteúdo externo

Dilema do cobalto

Em nenhum lugar os desafios do abastecimento responsável são mais aparentes do que na República Democrática do Congo (RDC). E poucos metais apresentam mais problemas de abastecimento do que o cobalto. Mais de 60% do cobalto - um subproduto da mineração de cobre e níquel - vem do Congo, dos quais cerca de 15-30% provém da mineração artesanal e de pequena escala conhecida como ASM. O cobalto é um componente essencial nas baterias recarregáveis ​​de íon de lítio que alimentam smartphones, laptops e carros elétricos.

Conteúdo externo

Numerosos relatórios documentaram condições de trabalho inseguras na ASM, bem como questões generalizadas de trabalho infantil e segurança. Em 2019, um grupo de direitos humanos entrou com uma ação em nome de famílias congolesas acusando os gigantes da tecnologia Tesla, Apple, Microsoft e outros de “ajudar e estimular” minas que exploram trabalho infantil para obter cobalto. O processo também nomeou a Glencore e alegou que as empresas de tecnologia deveriam saber que o cobalto proveniente de minas operadas pela empresa sediada na Suíça e outras produoras de commodities estavam usando trabalho infantil forçado.

Em resposta, alguns fabricantes de carros elétricos e baterias ameaçaram interromper o abastecimento da RDC, outros estão excluindo o cobalto de mineração artesanal (ASM) de suas cadeias de abastecimento inteiramente e alguns estão adotando uma postura mais rígida no gerenciamento dos riscos associados à produção de cobalto.

Em 2020, a Tesla assinou um acordo com a Glencore, que opera duas minas de cobalto na RDC, por 6.000 toneladas de cobalto que atendem aos “padrões sociais e ambientais” da Tesla. Em agosto, a Glencore assinou outros acordos com os produtores de baterias Britishvolt e outro produtor norueguês para fornecer “cobalto de origem ética”.

Pontos de vista diferentes

Esses negócios levaram a Glencore e a Trafigura, que têm uma grande participação na crescente demanda de cobalto, a investir pesadamente na criação de um suprimento de cobalto rastreável e responsável. Mas as diferentes maneiras como estão lidando com isso revelam os desafios associados à limpeza rápida da cadeia de suprimentos.

A Glencore mantém uma separação clara entre o minério de produção artesanal (ASM) e de produção industrial. A empresa não compra da ASM no Congo porque há muitos riscos envolvidos e também porque a própria Glencore é a maior produtora industrial do mundo, disse a porta-voz da Glencore, Sarah Antenore, à SWI swissinfo.ch.

A empresa está investindo na melhoria da situação dos pequenos mineradores por meio da Feira Cobalt Alliance, que reúne parceiros da cadeia de valor para melhorar as condições de trabalho e erradicar o trabalho infantil na ASM.

A Trafigura, a empresa que tem o direito de comercializar e vender todo o cobalto produzido pela Chemaf na RDC, tem uma abordagem diferente. A empresa assinou um acordo este ano para comprar cobalto ASM da Entreprise Générale du Cobalt (EGC), companhia criada em março pelo governo da RDC para comprar, processar e vender todo o cobalto ASM na RDC.

James Nicholson, que chefia a responsabilidade corporativa na Trafigura, argumentou em uma apresentação recente na Conferência Antaike Battery Metals que é “ilógico e contraproducente excluir o ASM da produção de cobalto”.

Em parceria com várias ONGs, a Trafigura está trabalhando para desenvolver zonas de mineração artesanal com controles sociais e ambientais com base no padrão de compra responsável da EGC - a empresa criada pelo governo do Congo. O acordo com a EGC também inclui um grande esforço de rastreabilidade envolvendo pacotes especiais à prova de violação e tecnologia blockchain.

Enquanto as empresas estão fazendo grandes investimentos, algumas ONGs e observadores do setor se preocupam com o fato de não haver um padrão geral do setor que possa ser usado para responsabilizar as empresas.

“O fato de haver duas ou mais teorias sobre como melhorar a situação em torno do fornecimento responsável de cobalto ASM da RDC mostra que a indústria não está totalmente alinhada nem está totalmente comprometida em melhorar a situação na RDC”, disse Dorothée Baumann-Pauly. Ela dirige o Centro de Genebra para Negócios e Direitos Humanos e tem trabalhado com a Global Battery Alliance e seus participantes para desenvolver um padrão de fornecimento responsável comum para o cobalto ASM.

Grandes oportunidades

Apesar do progresso da Glencore e da Trafigura, a indústria de commodities ainda está atrás de muitos outros setores quando se trata de abordar os riscos na cadeia de abastecimento. De acordo com um estudo recente de 25 empresas de commodities pela Responsible Mining Foundation, apenas 23% possuem parâmetros de responsabilidade social e ambiental em vigor e poucas divulgam a conformidade do fornecedor com as expectativas.

O governo suíço tem tentado controlar o setor, mas os vigilantes corporativos argumentam que as diretrizes voluntárias tiveram pouco impacto. Esse foi um dos motivos por trás da iniciativa de fiscalização obrigatória da Responsible Business Initiative, que foi rejeitada por pouco em votação nacional em novembro passado.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido, diz Pauly. Algumas empresas estão criando projetos de rastreamento para commodities específicas, mas a maioria das empresas não consegue mapear todas as suas cadeias de suprimentos de commodities até a fonte. “As expectativas por cadeias de suprimentos transparentes só vão crescer no futuro. A indústria de comércio de commodities entende essas expectativas, mas ainda não está totalmente preparada para atendê-las”, disse Pauly.

As enormes oportunidades de capitalizar sobre a demanda por “metais de descarbonização” podem acabar sendo a principal alavanca para mudar o setor, de acordo com Gerard Reid, um ex-banqueiro de investimento que agora assessora empresas de energia verde através da firma Alexa Capital. Sua afirmação é especialmente verdadeira neste momento, quando as empresas europeias procuram fornecedores fora da China, que controla uma parcela crescente dos mercados de minerais. A China já processa cerca de 90% do cobalto e comprou participações em grandes projetos de mineração de níquel, zinco e cobre.

Porém, se espera mais dos comerciantes quando se trata de anticorrupção, rastreamento de emissões de carbono e proteção de direitos trabalhistas. “Eles têm que aumentar a transparência”, disse Reid. “Isso é o que é exigido hoje em dia. Caso contrário, os clientes irão para outro lugar. "

Adaptação: Clarissa Levy

Participe da discussão

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.