Navigation

Força-tarefa Covid apela ao governo para tirar a Suíça da zona de risco

Martin Ackermann (à esquerda) exige que o governo tome ações mais decididas Keystone / Peter Schneider

A força tarefa científica do governo suíço contra a Covid-19 pediu uma redução imediata do número "triste" de casos e a realização de testes generalizados da população.

Este conteúdo foi publicado em 30. dezembro 2020 - 14:19
Keystone-SDA/ts

"Com 80 mortes por dia, nós estamos em sétimo lugar no mundo. É essencial sair da zona de risco e criar uma margem de segurança no caso de outros fatores agravantes", disse Martin Ackermann, presidente da força-tarefa, em uma coletiva de imprensa na terça-feira.

"Tudo deve ser feito para reduzir pela metade o número de infecções a cada duas semanas", disse ele. Além disso, as variantes de vírus mutantes devem ser contidas rapidamente e de maneira direcionada. Para este fim, Ackermann defendeu testes amplos em todas as regiões do país.

Como medidas adicionais, Ackermann mencionou novamente a importância de extender o teletrabalho e sugeriu o adiamento da volta às aulas para 11 de janeiro. Isto deve evitar que as infecções detectadas durante as férias sejam espalhadas para as escolas. Alguns cantões já anunciaram essa medida.

Com base em amostras aleatórias, a força-tarefa supõe que a propagação na Suíça das variantes altamente contagiosas do vírus da Grã-Bretanha e da África do Sul é atualmente provavelmente inferior a 1%. "No entanto, um olhar sobre Londres mostra quão rapidamente estas variantes altamente contagiosas podem se espalhar. Lá, por exemplo, o número de hospitalizações dobrou em uma semana", disse Ackermann.

Na terça-feira, o Departamento Federal de Saúde Pública anunciou 4.197 novas infecções por Covid-19 na Suíça nas últimas 24 horas, e 131 mortes.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.