Navigation

Filippo Lombardi: que direção irá tomar a OSE?

Filippo Lombard participando da assembléia dos delegados do Partido Cristão-Democrata (CVP) em 2020.

Ele tem uma excelente rede de contatos e vasta experiência: Filippo Lombardi, o novo presidente da Organização dos Suíços no Estrangeiro (OSE). Entrevista SWI swissinfo.ch

Este conteúdo foi publicado em 31. agosto 2021 - 10:00

swissinfo.ch: O senhor também já foi suíço no estrangeiro. Após os estudos, viveu em Bruxelas durante seis anos. Como foi a experiência?

Filippo Lombardi: Era jovem na época e tinha menos preocupações do que a maioria dos suíços no exterior têm hoje. Contas bancárias, votação eletrônica ou pensões: eu não tinha todas essas preocupações materiais. Eu pude ir e vir como quis.

swissinfo.ch: O senhor estava à frente de seu tempo. Hoje, muitas pessoas partem por alguns anos e depois voltam para a Suíça...

F.L.:  Sim, a proporção de residentes de curto prazo está aumentando constantemente, graças à livre circulação de pessoas e à mobilidade profissional. Temos que levar isto em consideração. Por falar em livre circulação de pessoas, você não tem um conflito de interesses como residente do Ticino?

swissinfo.ch: O senhor já reclamou alto e em bom som sobre os efeitos da livre circulação de pessoas em seu cantão. Qual é a sua opinião sobre o assunto?

F.L.: A situação com os trabalhadores fronteiriços da Itália é diferente no cantão do Ticino do que nas outras fronteiras nacionais. Mas isso não tem nada a ver com a entrada em vigor dos acordos bilaterais com a UE. O problema tornou-se dramático em 2008, devido à crise econômica na Itália na época. Naquela época, chegaram trabalhadores altamente qualificados que estavam dispostos a fazer qualquer trabalho com quase qualquer salário. Tivemos que aumentar a conscientização sobre isto em Berna. Defendo definitivamente a livre circulação de pessoas, mas o problema no Ticino permanece.

Quem é?

Filippo Lombardi, 65 anos, foi membro do Conselho de Estados (Senado) por 20 anos e é um dos mais destacados especialistas da Suíça em política externa. Sua carreira política não foi isenta de escândalos. Sobretudo os delitos de trânsito marcaram a carreira do empresário bem-sucedido de mídia. Lombardi sucede a Remo Gysin na presidência da OSE. Ele também tem assento na Câmara Municipal de Lugano e é presidente do Clube de Hockey de Ambri-Piotta.

End of insertion

swissinfo.ch: Em 2011, o senhor apresentou a iniciativa parlamentar que levou à Lei dos Suíços no Estrangeiro. Como isso aconteceu?

F.L.: Ela remonta a 2005 quando, no Conselho de Estados (Senado), eu quis saber do Conselho Federal (governo federal) qual era o valor da comunidade dos suíços do estrangeiro para a Suíça, inclusive economicamente. Na época, ainda prevalecia na Suíça e no Parlamento federal a opinião de que os suíços no exterior eram aproveitadores, que eram um fardo para a AHV (sistema de previdência social), por exemplo, que eram um negócio deficitário para a Confederação. A propósito, esta atitude ainda é evidente, e não apenas no parlamento. As pessoas dizem: eles emigraram, não pagam mais impostos, então por que devemos cuidar deles?

swissinfo.ch: Essa não é uma pergunta justa?

F.L.: Eu acho que é uma impertinência, mostra uma atitude muito insensível. Na realidade, muitos trabalham para empresas suíças, vêm como turistas em uma visita domiciliar, muitos retornam após alguns anos e trazem sua experiência para a Suíça. Além disso, muitos ainda pagam impostos, por exemplo, sobre seus bens ou sobre lucros na Suíça. Além disso, há muitas pessoas mais velhas que emigram porque mais poder de compra em outros lugares com seu AHV. Estes não são aproveitadores, mas pessoas que aliviam a carga de nosso sistema de saúde e social. Eles pagaram contribuições a vida inteira e, quando partem como pensionistas, a Suíça economiza milhões. Esta visão completamente errada da Quinta Suíça teve que ser corrigida.

swissinfo.ch: E como surgiu a Lei dos suíços do estrangeiro?

F.L.: O Conselho Federal levou cinco anos para chegar a uma resposta. Em resumo, ela dizia: Sim, os suíços do exterior são um recurso para o país, mas é muito difícil quantificar seu benefício econômico. Além disso, o Conselho Federal sugeriu uma reorganização das muitas leis e decretos que afetam os suíços no exterior. Em seguida, lancei minha iniciativa parlamentar para que isto pudesse ser implementado rapidamente.

swissinfo.ch: Apesar da Lei sobre os Suíços no Estrangeiro, tem havido grandes decepções nos últimos tempos como o voto eletrônico, as contas bancárias, e questões de previdência social não resolvidas. O lobby da Organização dos Suíços no Estrangeiro (OSE) foi suficientemente forte? Ele não deveria dispor de mais parlamentares em Berna?

F.L.: Penso que a Organização dos Suíços no Estrangeiro está relativamente bem conectada no parlamento. Se compararmos a situação atual no parlamento com a de vinte anos atrás, alcançamos muito. A simpatia para com a Quinta Suíça aumentou claramente.

Conteúdo externo

swissinfo.ch: Em grande parte, graças ao senhor. Ainda há alguém hoje que possa fazer alianças como essa?

F.L.: O problema é que você tem que encontrar alguém para substituir Filippo Lombardi no Parlamento Federal. É claro que ninguém é insubstituível, mas um grupo não se forma sozinho. Alguém tem que coordená-los e motivá-los regularmente. Continuarei a disponibilizar minha influência remanescente no parlamento. Mas os reveses tiveram outras causas. No caso do voto eletrônico, muitas coisas confluíram: razões técnicas, responsabilidade dos cantões no sistema federal, custos, segurança de dados.

swissinfo.ch: Com a votação eletrônica, o espaço de manobra era limitado. Como você vê a questão bancária?

F.L.: Isso também foi um caso de força maior. O setor bancário é um negócio privado fora da influência do Estado. Tentamos levar nossa iniciativa ao limite. Não pudemos forçar o processo, mas conseguimos encontrar o Banco Cantonal de Genebra, que hoje oferece seus serviços aos suíços no exterior sem qualquer discriminação.

swissinfo.ch: O senhor dispõe de excelentes contatos. Tem boas relações com todos e conhece a todos...

F.L.: Sim, isso é útil, definitivamente.

swissinfo.ch: O que você faz agora para a OSE com essas habilidades?

F.L.: Temos que dizer de forma um tanto autocrítica que, como organização, temos estado muito preocupados conosco mesmos nos últimos anos; quer com a reorganização do escritório, com os estatutos ou com a eleição direta para o Conselho da OSE, que é um problema muito difícil de resolver. Depois temos também a imagem pública, o website, a mudança de nome...

swissinfo.ch: Então, no futuro a OSE voltara novamente sua atenção para o exterior?

F.L.: Naturalmente, a relação entre a Suíça e a Europa e entre a Suíça e o mundo continuará sendo importante. A participação democrática em todas as formas, incluindo a votação eletrônica, também continuará sendo a prioridade máxima, pois se a Quinta Suíça puder votar, ela automaticamente terá mais peso. Mas minha ideia também é que devemos oferecer mais serviços. Recebemos muitos pedidos sobre casos especiais muito pessoais, mas todos os casos são diferentes. Acho que nossas atividades consultivas para a Quinta Suíça deveriam ser expandidas.

swissinfo.ch: Assim, a relação com a UE continua sendo um problema: a Suíça tem se descuidado da Europa. O que deve ser feito agora?

F.L.: Por um lado, a UE não nos ajudou realmente na fase final. Um pouco mais de flexibilidade por parte da UE teria tornado um resultado possível. Houve raiva, e isso não é uma boa base para as negociações. A Suíça não requereu as negociações, e sim a EU. Já em junho de 2012, a UE escreveu ao Conselho Federal que o caminho bilateral estava morto. Essas não foram palavras de Blocher, mas as de Barroso. E o Conselho Federal deu a única resposta correta na ocasião. Ele escreveu que o caminho bilateral era o único caminho que poderia comandar uma maioria na Suíça. Depois, por outro lado, essa via foi descarrilada. A UE queria demais e nós não negociamos bem. A Suíça fez concessões cedo demais.

swissinfo.ch: O que o senhor está dizendo então é que não foi a Suíça que desprezou a UE, mas Bruxelas que desprezou a Suíça?

F.L.: Digamos que Bruxelas quer facilitar a sua vida há muito tempo porque é difícil conduzir negociações adicionais com a Suíça para cada mudança na legislação europeia e redigir um tratado adicional. Isso é compreensível, e uma Suíça na EEA, com adoção automática da lei, seria a solução mais conveniente para Bruxelas. Mesmo com seus estados membros, a UE muitas vezes parece muito centralista. Na Suíça, temos uma tradição diferente. O governo federal aceita que os cantões individuais encontrem suas próprias soluções para implementar as leis federais de uma forma federalista.

Lombardi schilderte, wie die Auslandschweizer-Organisation die Banken bearbeitet hat: „Wir fragten uns: Was können wir noch tun?“ ASO/Adrian Moser

swissinfo.ch: O senhor diz isso com muita calma, soa quase otimista?

F.L.: Bem, eu não estou mais na linha de frente. Mas eu penso que é claro, de um lado temos que encontrar uma solução com a UE. Mas, por outro lado, a Suíça tem que negociar mais com outros países para alcançar outros acordos de livre comércio e relações políticas, precisamos de outros amigos, não apenas da UE.

swissinfo.ch: O Mercosul está na agenda. E com relação à China, Rússia ou os EUA?

F.L.: Sim, estes são países economicamente mais importantes do que São Marino, o Vaticano e Mônaco.

swissinfo.ch: O senhor deu um abraço amigável tanto em Vladimir Putin quanto no líder bielorrusso Alexander Lukashenko. Nunca se arrependeu?

F.L.: Eu sei que muitas pessoas criticam Putin, mas eles provavelmente nunca estiveram na União Soviética. Eu estava lá sob Brezhnev. A Rússia é muito diferente hoje em dia, embora sejam necessárias mais reformas, como em muitos países. Com a Bielorrússia, estávamos convencidos de que ela se abriria lentamente, assim como o Cazaquistão, o Tajiquistão e o Uzbequistão estão melhorando gradualmente. Também nos encontramos com representantes da oposição bielorrussa naquela época. O que temos vivido nos últimos dois anos é, naturalmente, muito decepcionante.

swissinfo.ch: Há uma tendência clara na política externa. As pessoas não abraçam mais a todos. Existe agora uma política externa de valores...

F.L.: Infelizmente, eu observo exatamente o contrário. Eu tinha exatamente a mesma esperança após a queda do Muro.

Lombardi com Lukaschenko durante um jogo de veteranos em Minsk. Rigendinger, Balz (swissinfo)

swissinfo.ch: Ainda assim, a Suíça decidiu, por exemplo, defender seus valores de forma mais robusta contra a China no futuro...

F.L.: Isso é bom. Mas onde, então, precisamente, estão representados nossos valores suíços? Pluralismo, liberdade, prosperidade para todos, proteção das minorias, democracia direta? Você pode encontrar esses valores na África do Sul? No Brasil? Na Argentina? Na Índia? No Paquistão? Ou na Inglaterra e na França? Pode-se até mesmo ter certas dúvidas sobre os EUA. Temo que nossos valores não sejam mais percebidos nem mesmo na Suíça, como costumavam ser. Eu vejo fenômenos preocupantes em nossa sociedade. Agressividade, extremismo político, polarização crescente, falta de respeito, muito egoísmo e menos solidariedade. O mundo não está realmente indo na direção que queremos que vá.

swissinfo.ch: Isso legitima o oportunismo suíço?

F.L.: Eu sempre disse aos políticos de tais países que nós temos valores, e que vocês têm valores. Mas no centro está o ser humano, que deve ser capaz de se desenvolver. Você pode se conversar nesta base e ainda encontrar valores comuns.

Adaptação: DvSperling

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.