Navigation

Opinião
Educação

Erasmus e a Suíça: o que acontecerá com os intercâmbios estudantis?

A recusa da Suíça ao acordo-quadro com a União Europeia terá um impacto direto na mobilidade estudantil suíça, argumenta Lucas Schneeberger, da Erasmus Student Network (ESN) Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 11. agosto 2021 - 15:00

A recente rupturaLink externo das negociações entre a Suíça e a União Europeia sobre o acordo-quadro institucional, que regula os laços de longo prazo entre Berna e Bruxelas, é um duro golpe para as relações bilaterais. A quebra mergulha a Suíça em um período de incerteza que é particularmente prejudicial para estudantes e jovens.

A Suíça foi excluída do programa de intercâmbio de estudantes Erasmus + desde 2014, mas havia esperanças de que o país voltaria a participar em um futuro próximo. Essa possibilidade agora está praticamente excluída. Com o acordo-quadro enterrado, a Secretaria de Estado de Educação, Pesquisa e Inovação (SERI) confirmou a paralisação das negociações. “O Conselho Federal [..] pretende entrar em negociações [sobre a associação ao Erasmus] assim que a situação geral das relações Suíça-UE permitir isso”, aponta um informeLink externo oficial de maio.

A situação em poucas palavras

Em 26 de maio, o governo suíço rejeitou o acordo de “estrutura” institucional entre a Suíça e União Europeia (UE), devido a “diferenças substanciais” entre os dois lados.

Teme-se que as tensões Suíça-UE possam impactar a participação suíça no Horizon Europe, o principal programa de pesquisa da UE, e no Erasmus +, como aconteceu em 2014, após a polêmica votação da Suíça para reintroduzir cotas de imigração para cidadãos da UE. Posteriormente, os suíços puderam voltar a aderir ao Horizon 2020 (como parceiro associado, de 2017 a 2020), mas permaneceram excluídos do Erasmus +.

Em 14 de julho, foi anunciado que a Suíça foi efetivamente excluída do Horizon Europe (o programa de continuidade 2021-2027) até nova decisão. Os líderes da UE devem discutir o assunto quando se reunirem no outono. O ministro das relações exteriores da Suíça, Ignazio Cassis, encontrou-se com o representante de relações exteriores da UE, Josep Borrell, em Bruxelas, na terça-feira. Não foram anunciadas negociações para o Erasmus +, mas uma moção parlamentar suíça pedindo uma associação em 2021Link externo havia sido aceita em 2017.

End of insertion

Muitos estudantes suíços dizem simplesmente: “Vou para o Erasmus no próximo semestre” sem perceber que a sua universidade não participa mais no programa Erasmus porque a Suíça ainda está excluída. Eles ainda podem fazer um programa de intercâmbio, graças à alternativa atualmente em vigor, “a Solução Suíça para Erasmus +”. A parceria é gerida pela MovetiaLink externo, a Agência Nacional de Câmbio e Mobilidade. Consiste no Programa de Mobilidade Suíço-Europeu (SEMP), para a mobilidade de alunos e funcionários, e outros fundos para cobrir alguns intercâmbios não acadêmicos. Esta “solução suíça” não é satisfatória, uma vez que não está suficientemente integrada no sistema de câmbio europeu e porque o seu público-alvo não é suficientemente grande. O programa Erasmus + da UE também oferece oportunidades de formação profissional ou mobilidade extracurricular, o que o SEMP não oferece. Infelizmente, apesar da mobilidade estudantil desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento dos indivíduos durante seus estudos, as possibilidades de intercâmbio para estudantes na Suíça permanecem drasticamente limitadas.

ESN Suíça

A Erasmus Student Network SuíçaLink externo apoia estudantes em intercâmbio, bem como repatriados de intercâmbio. Durante a pandemia, a organização ajudou os estudantes internacionais a se estabelecerem em tempos difíceis, como relatamos anteriormenteLink externo. O programa é composto por cerca de 500 alunos voluntários.

A ESN Suíça há muito faz campanha para que a Suíça volte a Erasmus - o assunto também foi trazido à Comissão da UE pela ESN International. Em setembro de 2020, a ESN Suíça estava entre as organizações estudantis que entregaram uma petição com mais de 10.000 assinaturas pedindo ao governo que iniciasse negociações imediatas para se juntar ao Erasmus.

End of insertion

Estudantes Visitantes

Também há limites para a mobilidade de entrada - para os alunos de Instituições de Ensino Superior (IES) europeias que desejam passar um tempo na Suíça. Isso só serve para empobrecer a experiência intercultural dos alunos e reduzir a diversidade em nosso país. Suspeitamos que a Suíça com seu próprio programa autônomo cause uma sobrecarga administrativa para nossas instituições parceiras, o que por sua vez desempenha um papel na exposição que a Suíça tem como destino de intercâmbio entre os estudantes europeus.

Considerando uma perspectiva de longo prazo, a solução suíça carece de visão, notoriamente. As oportunidades de intercâmbio devem refletir as do programa Erasmus, mas com alguns anos de atraso. Em 2017, as autoridades suíças formularam uma estratégiaLink externo que preconiza que todos na Suíça deveriam participar de atividades de intercâmbio e mobilidade pelo menos uma vez durante sua formação ou transição para a vida profissional, seja na Suíça ou no exterior. Infelizmente, esse objetivo provavelmente nunca será alcançado com as medidas atuais.

Moldando o futuro

Nossos colegas europeus, por outro lado, estão realmente moldando o futuro da educação. A Iniciativa das Universidades EuropeiasLink externo incentiva alianças entre instituições de ensino superior em toda a Europa para propor programas de estudo conjuntos. As parcerias acadêmicas servem de base para um plano maior da UE, o Espaço Europeu da EducaçãoLink externo, que visa transformar a Europa num campus gigante onde todos os alunos poderão circular livremente. Isso incluiria, nomeadamente, o reconhecimento automático de qualificações e períodos de aprendizagem no estrangeiro, um calendário estudantil harmonizado, uma carga administrativa mínima e, claro, um financiamento generoso.

A menos que as nossas relações com a União Europeia melhorem nos próximos meses, também perderemos outras oportunidades importantes de colaboração - para além do Erasmus.

Um exemplo é o Corpo Europeu de Solidariedade, que incentiva o voluntariado internacional. Esta forma de mobilidade não é coberta pelo Erasmus e constitui um programa autônomo. Outra iniciativa importante é o programa de pesquisa da UE, o Horizon Europe. O fato de a Suíça ter o status de país terceiro neste programa, como foi confirmado para 2021 - e possivelmente para próximos anos - ameaça seriamente a capacidade de nossas universidades de se beneficiarem do financiamento europeu para projetos de pesquisa e de atraírem os melhores cientistas de todo o mundo. Colocar em risco a excelência da pesquisa suíça certamente terá um impacto na qualidade da educação suíça a longo prazo.

Adaptação: Clarissa Levy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.