Navigation

Covid 19: escolas pedem medidas mais rígidas para o novo ano letivo

Início do ano letivo em uma escola de Neuenhof, no cantão de Aargau. Keystone / Georgios Kefalas

“Os testes massivos de Covid-19 devem continuar nas escolas”, reivindicam professores frente ao temor qu o novo período escolar leve ao aumento dos casos, especialmente com a variante "Delta".

Este conteúdo foi publicado em 17. agosto 2021 - 11:45

“A pandemia do coronavírus ainda não acabou”, alertaram as autoridades educacionais em uma coletiva de imprensa que uniu as duas maiores associações de ensino da Suíça, em Berna. Proteger a saúde de alunos e professores ainda precisa ser a prioridade.

O alerta ocorre no momento em que os alunos voltam à escola após as férias de verão no cantão da Argóvia. Os alunos de outros cantões retornarão nas próximas semanas. Medidas de saúde nas escolas, como distanciamento social, lavagem das mãos e ventilação permanecem em vigor para o novo semestre, embora os alunos mais velhos não sejam mais obrigados a usar máscaras (as medidas podem diferir nos cantões).

A continuação dos testes em massa identificaria rapidamente novos casos entre os alunos, disse a Federação Alemã de Professores Suíços (LCHLink externo, na sigla em alemão) em fala endossada pela entidade similar da parte francófona (SERLink externo).

“Cantões que já implementaram testes regulares para detectar o vírus da Covid-19 em escolas, como as do cantão dos Grisões, tiveram uma experiência de sucesso. Cabe a cada cantão decidir se deseja implementar testes regulares nas escolas (no novo semestre) ”, disse Beat A. Schwendimann, membro do conselho do LCH.

Os cantões da Argóvia, Berna, Zug e Lucerna, por exemplo, já indicaram que continuarão com os testes em massa. Na Suíça, os cantões é que são responsáveis pelas questões educacionais - e também pelas decisões relacionadas ao Covid. Mas regras e deliberações também podem ser formuladas a nível comunitário.

Os professores também pediram dispositivos de medição de CO2 nas salas de aula para medir a qualidade do ar.

Questão da vacina

A questão da vacinação - de professores e alunos - continua complicada. As associações estão pedindo vacinações voluntárias, mas prioritárias para os professores, disse Schwendimann. “Como uma força de trabalho essencial e altamente exposta, os professores que desejam se vacinar devem ter alta prioridade. É direito de cada professor decidir a favor ou contra a vacinação ”, acrescentou.

Atualmente, os maiores de 12 anos são elegíveis para a vacinação contra o coronavírus com vacinas da Pfizer e Moderna. Autoridades do cantão da Argóvia disseramLink externo, por exemplo, que planeja postos de vacinação móveis nas dependências da escola para os alunos com idades acima de 15, com uma possível extensão para aqueles com idade entre 12 anos, mais adiante. Schwendimann apoia a iniciativa para aqueles que gostariam de ser vacinados.

Não há obrigação de os professores serem vacinados na Suíça, ou como ocorre na Itália, mostrar que foram vacinados, testados ou se recuperaram de uma infecção por coronavírus.

Em outros lugares: escolas e a Covid-19

Itália: nos planos para reabrir escolas para o semestre de outono, os professores precisarão de um ‘passaporte verde’ para mostrar que foram vacinados com pelo menos uma dose, se recuperaram do Covid-19 nos últimos seis meses ou tiveram teste negativo nas 48 horas anteriores. 

Alemanha: o país também espera reabrir as escolas totalmente para o próximo semestre, mas provavelmente sob medidas como testes, máscaras, ventilação e aulas alternadas.

Inglaterra: muitas das restrições restantes nas escolas inglesas foram suspensas, incluindo a mudança, a partir de 16 de agosto, das regras sobre auto-isolamento para contatos próximos de um caso positivo da Covid. Na Escócia, medidas ambiciosas de mitigação serão mantidas por pelo menos seis semanas após as férias de verão, embora haja uma mudança nas regras de auto-isolamento para turmas inteiras.

EUA: as autoridades estaduais e locais estão divididas sobre se as crianças devem usar máscaras nas escolas, já que o número de casos de crianças Covid-19 aumentaLink externo quando as crianças voltam à escola.

End of insertion

Maneira helvética

A Suíça, ao contrário de seus vizinhos Alemanha e Itália, manteve suas escolas abertas o tempo todo no ano letivo passado. As escolas fecharam apenas uma vez desde o início da pandemia - na primavera de 2020. “O governo federal, em colaboração com os cantões, buscou encontrar um equilíbrio difícil, mas bastante bem-sucedido, entre proteger a população e manter os serviços e negócios abertos”, disse Schwendimann.

As escolas possuem medidas rígidas de segurança e higiene, que foram ajustadas de acordo com a situação do coronavírus. Por exemplo, em outubro passado, o governo interveio e tornou obrigatório que os alunos mais velhos usassem máscaras (isso foi suspenso pouco antes das férias de verão). “Professores e diretores de escolas trabalharam extraordinariamente duro para fornecer uma educação continuada para todos os alunos”, disse Schwendimann.

Medos pós-férias

No entanto, os casos de coronavírus estão aumentando na Suíça. O país registrou 3.144 casos de coronavírus no final da semana, perfazendo uma média de 1.003 dias em sete dias, um aumento de 35% em relação aos números da semana anterior. Especialistas na Suíça já levantaramLink externo a possibilidade de a variante Delta se espalhar mais rapidamente entre a população não vacinada, especialmente entre os menores de 12 anos.

O ministro suíço da Saúde, Alain Berset, disse no fim de semana que qualquer relaxamento adicional nas medidas contra o coronavírus dependeria de como os casos se desenvolveriam após as férias. Ele mencionou especificamente às crianças que voltam à escola como um fator de risco.

A sombra da pandemia, portanto, continuará no próximo ano. No entanto, as organizações de ensino estão esperançosas de que o método suíço continuará a ser um sucesso.

Enquanto isso, as escolas também enfrentam outras questões causadas pela pandemia, como a contínua escassez de professores, o progresso desigual na transformação digital e a melhoria na gestão da segurança e saúde ocupacional.

Adaptação: Clarissa Levy

Outras demandas dos professores

A entrevista coletiva também destacou o problema contínuo de falta de professores. Mais pessoas seriam atraídas para a profissão se os professores fossem mais valorizados e tivessem salários e horários mais justos, afirmaram as associações.

Os professores também pediram a retomada das viagens de campo e dos acampamentos noturnos, o que é importante para o seu desenvolvimento e para determinados objetivos do currículo. Este é outro motivo para testes em massa. O governo federal e os fornecedores de transporte público devem oferecer opções de transporte acessíveis para as aulas nas escolas.

Eles também destacaram como os jovens acharam mais difícil fazer suas escolhas de carreira durante a pandemia. A maioria dos alunos que finalizam a escola na Suíça opta por um estágio, com semanas de degustação e feiras de carreiras ajudando na decisão sobre qual tipo de trabalho escolher. Mas muitos dos eventos, estágios e períodos de teste foram cancelados ou realizados somente de forma online. Além disso, algumas empresas começaram a recrutar aprendizes promissores com idades cada vez mais precoces, o que aumenta a pressão sobre os alunos e suas famílias.

End of insertion

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.