Navigation

Condensador inovador extrai água do ar

O condensador de água da ETH Zürich extrai a máxima quantidade possível de água do ar de forma neutra em termos energéticos. ETH Zurich / Iwan Hächler

Cientistas suíços desenvolveram um método de extração de água do ar para uso em países que apresentam alta umidade, mas que sofrem com a escassez de água subterrânea.

Este conteúdo foi publicado em 25. junho 2021 - 10:15
swissinfo.ch/fh

O Instituto Federal de Tecnologia ETH Zürich projetou um cone que se resfria, permitindo que ele condense a umidade do ar sem usar energia.

Em condições ideais - alta umidade e pouco vento ou sol - o condensador pode colher até 0,53 decilitros de água potável por metro quadrado de superfície a cada hora.

"Isto está próximo do valor máximo teórico de 0,6 decilitros por hora, que é fisicamente impossível de exceder", afirma o pesquisador da equipe Iwan HächlerLink externo.  

A solução para reter a umidade do ar desta forma é ter uma área de superfície que seja mais fria do que a temperatura do ar.

Os cientistas conseguiram isso com um painel de vidro, que combinado com outros materiais e revestimentos reflete a radiação solar e expulsa seu próprio calor para a atmosfera.

A equipe de pesquisa diz que o condensador é rentável para construir, pois não utiliza materiais caros ou raros.

Seria particularmente útil em áreas costeiras, tais como Arábia Saudita, Índia ou Israel. As condições na África subsaariana não são, no entanto, adequadas para a extração de umidade do ar usando o dispositivo.

Os pesquisadores sugerem que ele poderia ser usado em combinação com outras técnicas de extração de água potável, tais como plantas de dessalinização, para aumentar a oferta nas regiões áridas do mundo.

A inovação foi apresentada nesta semana na revista Science AdvancesLink externo.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.