Navigation

Genebra continua o centro do mundo?

Como está se moldando a "Genebra Internacional"?

Esta é uma face de Genebra muito diferente do bairro internacional. Mas uma das questões básicas é a mesma: o dinheiro continuará a vir em face à Covid-19 e outros grandes desafios? © Mark Henley/panos Pictures

Genebra é um centro internacional importante para o multilateralismo. A cidade continua recebendo investimentos e estímulos do governo, mas está mudando e enfrentando novos desafios. Demos uma olhada em fotos e perguntamos como é trabalhar lá.

Este conteúdo foi publicado em 31. agosto 2020 - 08:00
Julia Crawford (texto) e Mark Henley (fotos)

A sede europeia das Nações Unidas no Palais des Nations fica no coração do bairro internacional de Genebra. “Sempre penso que ir ao Palais é como passar pelo espelho - é tudo meio que Alice no País das Maravilhas”, diz o fotógrafo independente Mark Henley, que tem um pequeno escritório na ONU e cujas fotos são apresentadas aqui. “É um edifício incrível, um labirinto, com corredores e escadas escondidas. Obviamente, agora as coisas não estão normais - o prédio ecoa com a ausência provocada pela Covid! ”  

Frédéric Burnand, jornalista da swissinfo.ch, que trabalha há muitos anos no prédio da ONU, tem uma visão diferente. “Ao cruzar a porta de entrada do Palais des Nations, estou entrando em um território com status legal especial, devidamente guardado por agentes de segurança da ONU vestidos como policiais de Nova York. É como sair da Suíça e chegar em outro país: o país de todos os países”. 

Entrar no Palácio das Nações é um pouco como "Alice no País das Maravilhas", diz Henley. © Mark Henley/panos Pictures

Além dos ataques da Covid-19 e de Trump ao multilateralismo, o Palais também enfrenta outros desafios. Ele está sendo reformadoLink externo a um custo de CHF 836,5 milhões (US $ 918,9 milhões) - metade financiado por empréstimos sem juros do governo suíço e do cantão de Genebra. Um novo prédio Link externotambém está sendo construído no complexo da ONU para 700 funcionários.

“A mudança está chegando com as reformas e acho que, como a maioria das outras pessoas, não sou particularmente favorável”, diz Henley. “Os funcionários da ONU que terão que se mudar para um escritório central, com uma configuração de plano aberto, eles odeiam. Não ajuda que já seja uma ideia ultrapassada. Nem mencionamos como isso não é bom no contexto da Covid!” 

Melhor e pior

Além das missões da ONU e dos governos de todo o mundo, a “Genebra Internacional” também hospeda muitas ONGs internacionais e instituições acadêmicas, dando origem ao que tem sido chamado de “ecossistema fértil” para pesquisa e tomada de decisões internacionais. Embora algumas ONGs e até mesmo a ONU possam ser ameaçadas pelos efeitos indiretos da pandemia, o governo suíço está apoiando novas "plataformas" futurísticas de Genebra, como a Swiss Digital InitiativeLink externo e o Geneva Science and Diplomacy AnticipatorLink externo , que deve ser encontrado no “Biotech Campus” cheio de startups com visão de futuro.    

Henley diz que seu prédio favorito da Genebra Internacional é provavelmente o Palais des Nations, “embora eu goste de elementos de outros lugares - o Salão de Assembleias da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou o corredor monumental da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e o interior acolchoado, ao estilo bolsa Gucci, da nova sala de conferências da Organização Mundial do Comércio (OMC)”.

A estátua fora da OMC pode ser um bom lugar para tomar sol! © Mark Henley/panos Pictures

“Como amante do concreto, tenho uma queda pelo prédio da OMS, do arquiteto Jean Tschumi ”, diz Burnand. “É um edifício enorme e ao mesmo tempo leve, que pode ser visto de longe graças ao parque que o cerca”.

Embora Genebra seja uma cidade pequena, ela tem muitos bairros, cada um com seu caráter, comenta. “O bairro internacional dá uma sensação que você não encontra no resto da cidade. Mas o que falta são lugares para a vida social que o tornem um lugar real. O relativo vazio humano tem charme. Você pode vagar por lá como se estivesse em um filme de suspense”.

Desenvolvendo ao longo dos anos

Uma das principais instituições acadêmicas internacionais de Genebra é o Instituto Superior de Estudos Internacionais e de Desenvolvimento (IHEID), que começou na histórica Villa BartonLink externo em 1938. Conforme crescia, o Instituto foi precisando de mais espaço e agora funciona principalmente em um moderno edifício de vidro com vista para os trilhos da ferrovia. Na estrada, há também um grande canteiro de obras onde estão construindo uma "enorme nova residência estudantil", diz Joost Pauwelyn, professor de direito internacional no IHEID.

“Nossos projetos imobiliários são um legado de nossa antiga diretora e ela mudou completamente as coisas”, continua ele. "Tudo começou em 2008. Nós só tínhamos o Villa Barton e os alunos ficavam espalhados em acomodações por toda a cidade. Agora há muito espaço aberto e muito mais a sensação de um campus." 

Os professores têm seu próprio escritório e Pauwelyn gosta de trabalhar lá. “Nunca acreditei que edifícios fizessem tanta diferença”, diz ele. 

Participe da discussão

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.