Navigation

A Suíça no espaço sideral

Suíça guarda trunfo na busca de vida no espaço

O analisador de massas instalado no"ORIGIN", visto no laboratório em Berna. swissinfo.ch / Christian Raaflaub

A tecnologia usada para explorar a existência de vida no espaço é a mesma desde os anos 1970, e foi usada inclusive na sonda "Perseverance" que pousou em Marte em fevereiro. Um grupo de pesquisadores da Universidade de Berna está trabalhando para revolucionar essa tecnologia.

Este conteúdo foi publicado em 03. abril 2021 - 11:00

"De um ponto de vista puramente estatístico, é inconcebível que sejamos os únicos no universo", diz o astrofísico Andreas Riedo em um laboratório do Departamento de Pesquisa Espacial do Instituto de Física.

Coincidentemente, nosso encontro na Universidade de Berna aconteceu no mesmo dia em que a sonda "Perseverança" pousou mais tarde com sucesso em Marte. "Possivelmente identificaremos assinaturas de vida pela primeira vez", diz.

Conteúdo externo

Para o cientista de 36 anos, o fascínio pelo espaço está em responder a uma das perguntas mais fundamentais: "Estamos sozinhos? Riedo responderia com um “não” a essa pergunta, mesmo em se tratando do sistema solar do qual o planeta Terra faz parte.

O astrofísico Andreas Riedo. Vera Maria Knoepfel

"Presumimos que poderíamos encontrar vida, talvez sob as camadas de gelo com quilômetro de espessura nos oceanos líquidos das luas geladas de Júpiter e Saturno". Ele se refere aqui a formas de vida muito primitivas como bactérias e micróbios.

Elementos básicos da vida

É com esse objetivo que Riedo está liderando o projeto de pesquisa "ORIGIN" juntamente com um químico. Niels Ligterink (32) do Departamento de Pesquisa Espacial e Planetologia é responsável pelas medições, entre outras coisas.

"Para um químico, o espaço é um lugar excitante para estudar moléculas, porque as condições são muito diferentes daquelas encontradas na Terra", responde Ligterink da Holanda, onde ele está retido por causa da pandemia de Covid-19.

Neste aparelho são testadas com o "ORIGIN" as medições a laser. swissinfo.ch / Christian Raaflaub

"É claro que a busca por vida extraterrestre é um esforço muito excitante em si mesmo, mas o que mais me interessa neste contexto são os elementos moleculares fundamentais da vida", diz.

O químico Niels Ligterink. zVg

Com o projeto "ORIGIN", os dois querem buscar especificamente os aminoácidos, os blocos básicos de construção da vida. "Esperamos descobrir tais moléculas em luas de gelo". Porque eles indicariam que a vida existe ou já existiu lá", diz Riedo.

Os pesquisadores têm como alvo especial Europa, a lua de Júpiter, e Enceladus, a lua de Saturno. Ali, as missões Cassini-Huygens e Galileo detectaram oceanos líquidos de dimensões globais embaixo de camadas de gelo com quilômetros de espessura.

O instrumento de medição foi projetado especificamente para analisar líquidos, disse ele. "Poderia haver tais bio-assinaturas nos oceanos de água nestas luas geladas", diz Riedo.

Nova abordagem

Uma grande variedade de aparelhos desenvolvidos na Universidade de Berna já foi enviada ao espaço. Da famosa vela solar da missão Apollo 11 à atual missão do telescópio espacial "CHEOPS". Listar todos está além do escopo deste artigo.

Conteúdo externo

A parte central de "ORIGIN" é um analisador de massa. Ele foi desenvolvido em 2003 pelo cientista espacial e professor Peter Wurz para a missão Mercury "BepiColombo", que foi lançada em 2018. Mas como um módulo de aterrissagem acabou sendo cancelado, o instrumento permaneceu em Berna. Desde então, os pesquisadores da Universidade de Berna têm continuado a desenvolvê-lo e a aperfeiçoar sua sensibilidade de medição.

“ORIGIN” é entre dez a mil vezes mais sensível do que instrumentos comparáveis atualmente em uso ou com uso projetado. Esta sensibilidade aumenta maciçamente a chance de encontrar sinais extraterrestres de vida, diz Riedo.

Como isso é possível? Para responder à questão, o físico tem que recuar no tempo. Desde os anos 70, quando a primeira missão aterrissou em Marte, a tecnologia a bordo das sondas permaneceu praticamente a mesma. Segundo ele, "Você precisava de fornos quentes para vaporizar o material e você mede então o material vaporizado".

"ORIGIN" tem uma abordagem muito diferente, sem solventes ou calor, disse ele. "Precisamos de pulsos laser, para não infligirmos no material o tipo de efeitos térmicos que um forno causa", diz Riedo. No total, diz ele, o método de medição é mais direto e muito mais acurado do que o método atualmente em uso. E não se precisa mais de um forno. Menos quilos que poderiam salvar milhões em uma missão espacial.

O laser deve tornar visíveis os menores traços de vida no espaço. Universität Bern, Space Research & Planetary Sciences

"Com um novo instrumento, obtemos uma nova perspectiva sobre a busca de biomoléculas e criamos conhecimentos que poderiam permitir a detecção de biomoléculas", acrescenta Ligterink.

Simplificando, o analisador de massa é uma "balança muito avançada" que usa pulsos de laser para medir a massa de uma molécula, diz o químico. Com base nesta medida de peso de uma molécula, diz ele, ela pode ser identificada como uma molécula normal ou uma biomolécula. Esta última, diz ele, é uma indicação da presença da vida.

Conteúdo externo

Alguns obstáculos

Vários consórcios espaciais internacionais, sobretudo a Nasa, já demonstraram interesse em testar "ORIGIN" em missões futuras. De acordo com a Universidade de Berna, a agência espacial americana planeja uma missão para aterrissar na lua de Júpiter Europa por volta de 2030 e fazer medições no local. O objetivo declarado da missão é identificar as formas de vida e a duração da viagem até o destino é de cerca de sete anos.

O trabalho preliminar é complicado. Eles foram convidados pela Nasa para testar o instrumento no Ártico, diz Riedo. Mas por causa da pandemia do vírus corona, tais testes no gelo perpétuo não são possíveis no momento, diz ele. "A situação com o Coronavírus tem um forte impacto em todos os projetos científicos", diz o físico.

"Entretanto, já podemos relatar uma colaboração bem-sucedida uma vez que a proposta um projeto antártico com nossos colegas na Inglaterra foi aceita recentemente. Poderemos obter amostras de gelo e depois analisá-las com ‘ORIGIN’".

Amostras recentemente colhidas serão ainda mais importantes no espaço, diz o pesquisador. Desta forma, o maior número possível de bioassinaturas intactas poderia ser medido. A este respeito, as baixas temperaturas entre -160 e -170 graus Celsius nestas luas são um aspecto positivo, ele diz: "Se as bioassinaturas estiverem presentes, elas serão praticamente preservadas de graça".

Um desafio técnico, disse ele, será projetar os instrumentos para "sobreviver" às duras condições e fornecer boas medições. "Isto é extremamente complicado", diz Riedo. Isto porque há uma radiação extremamente elevada nestas luas. Isto também influencia as bioassinaturas. Por exemplo, aminoácidos ou lipídios, que são substâncias semelhantes à gordura, seriam decompostos muito rapidamente sob tais condições e possivelmente não poderiam mais ser detectados.

E o que significaria se "ORIGIN" realmente encontrasse sinais de vida extraterrestre? Seria provavelmente comparável ao primeiro passo na lua, diz Riedo. "Seria um enorme salto na ciência, mas também na sociedade, em nosso pensamento: pela primeira vez teríamos a certeza de que não estamos sozinhos".

Adaptação: DvSperling

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.