Navigation

Basileia volta a impor restrições à mendicidade

Dezenas de ciganos saíram às ruas da Basileia para pedir dinheiro ou comida no ano passado, depois que o Parlamento levantou temporariamente a proibição de mendigar. Keystone/Georgios Kefalas

Mendigar nas ruas da cidade suíça da Basileia estará novamente sujeito a regras estritas em meio a meses de controvérsia pública.

Este conteúdo foi publicado em 25. junho 2021 - 08:45
swissinfo.ch/fh

A assembleia legislativa da cidade-cantão concordou em estabelecer um conjunto de restrições, sem uma proibição geral de mendigar. As restrições especificam as áreas onde tais atividades são proibidas e reprimem a mendicidade organizada.

Os partidos de esquerda, que tinham conseguido levantar as restrições, não conseguiram obter a maioria para um acordo no parlamento cantonal.

Basileia, a terceira maior cidade da Suíça, suspendeu a proibição da mendicidade em 2019, atraindo dezenas de ciganos e provocando um protesto público sobre a prática, por vezes agressiva, da mendicidade.

Especialistas jurídicos argumentam que a decisão parlamentar viola a Convenção Europeia de Direitos Humanos e consideram a possibilidade de solicitar a intervenção da Suprema Corte suíça.

Em janeiro, a Corte Europeia de Direitos Humanos decidiu que a proibição de mendigar na cidade suíça de Genebra violava a dignidade humana e os direitos de privacidade.

Como resultado, as autoridades de Genebra levantaram as restrições introduzidas em 2008.

A mendicidade é proibida na maioria dos cantões suíços, mas as associações que trabalham com pessoas marginalizadas dizem que as proibições estão atingindo os mais vulneráveis.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.