Navigation

Aposentados suíços emigram para fugir da pobreza

Keystone / Martin Ruetschi

Anualmente aposentados suíços se mudam para o exterior para evitar dificuldades financeiras. A razão? A aposentadoria não garante uma viver decente na Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 20. setembro 2021 - 10:00

Seus nomes são Pierre, Reine, Claudine ou Giovanni. Seus caminhos de vida são diferentes, mas eles têm uma coisa em comum: se mudaram para outro país para viver durante sua aposentadoria, e abandonaram o país em que viveram a maior parte de suas vidas, a Suíça.

Como eles, milhares de residentes suíços se mudam para o exterior a cada ano. Seus motivos não são conhecidos, portanto é impossível dizer se todos eles o fazem por razões financeiras. Mas uma coisa é certa: seus números estão aumentando. Em 2019, 3.135 pessoas com mais de 65 anos de idade mudaram-se para o exterior. Isto representa cerca de 10% da emigração total.

Conteúdo externo

Escolha forçada

Claudine Tüscher e seu marido. / Picasa

Claudine Tüscher (75) e seu marido partiram para a França em 2001. Alguns anos antes, ele havia perdido seu emprego como engenheiro. Após dois anos de desemprego, o Serviço de Ajuda ao Desemprego (RAV, na sigla em alemão) suspendeu seus direitos e o casal se viu com apenas o salário da esposa como fonte de renda. "Meu salário não compensou a perda de renda de meu marido. Tornou-se impossível para nós viver na Suíça", diz Claudine Tüscher.

A crise financeira no final dos anos 90 deixou o casal com poucas perspectivas. O casal decidiu se mudar para o exterior, também em antecipação à sua aposentadoria próxima. "Foi uma escolha forçada. Nunca teríamos partido se meu marido tivesse tido a oportunidade de encontrar um emprego na Suíça", diz a septuagenária.

Reine Blum (66) era uma tradutora. Após seu divórcio, ela fez a escolha deliberada de se mudar para o Paraguai em 2012, consciente de que seus meios financeiros seriam limitados no futuro. "Eu parti para muito longe para que eu pudesse receber o dinheiro do meu fundo de pensão", admite ela.

De fato, o guia "Aposentadoria no Exterior" publicado pelo ministério suíço das Relações Exteriores (EDA) estipula que no caso de uma saída permanente da Suíça antes da idade de 59/60 anos, geralmente é possível se beneficiar de um pagamento em dinheiro, o que só é parcialmente o caso se o segurado assumir residência em um país da UE/EFTA.

Reine Blum em sua casa na França. màd

Em 2016, ela decidiu, por razões familiares, se aproximar de sua mãe. Ela vendeu sua casa no Paraguai e comprou uma no sudoeste da França. Hoje, ela vive exclusivamente de sua pensão de velhice e de sobrevivência (AVS), o que "seria impossível na Suíça".

Mais poder de compra

Quanto a Giovanni Brunetti (80), ele trabalhou no setor financeiro na Suíça e na França, onde já possuía uma segunda casa. "Transporte, seguros, aluguéis... a vida na Suíça é cara em sua totalidade, até mesmo para atividades de lazer e restaurantes. Com isto em mente, o aposentado se mudou permanentemente para sua segunda casa a fim de "ter mais conforto" do que se ele morasse na Suíça. "Eu me mudei 70% por razões econômicas e 30% para tirar proveito de um clima mais ameno.

O mesmo se aplica a Pierre* (61). Ele e sua esposa eram proprietários de uma casa na região de Oron (cantão de Vaud/Suíça ocidental). Em 2012, quando a taxa de hipoteca de seus bens foi redefinida, seu consultor bancário lhes disse que poderiam ter dificuldade em pagar seu empréstimo quando se aposentassem. "Tínhamos medo de perder tudo o que tínhamos construído".

Veja um resumo diário das notícias, participe de nossos debates e faça suas perguntas à comunidade com nosso aplicativo 📱SWI plus📱
👉 AndroidLink externo
👉 iPhoneLink externo

End of insertion

Eles perceberam então que, vendendo sua casa na Suíça, poderiam comprar uma maior na França e manter a qualidade de vida que tinham na Suíça. Se "foram os cálculos financeiros que os fizeram partir", Pierre diz agora que seu conforto de vida é "incomparável".

Pierre Triolo em sua casa na República Tcheca. màd

Outro Pierre (Triolo, 68) tinha comprado uma casa na República Tcheca quando ainda estava trabalhando. Forçado a se aposentar antecipadamente após um período de desemprego, a emigração parecia uma escolha óbvia. "Eu não queria depender da seguridade social. Atualmente, vivo apenas com minha pensão AHV de 2.274 francos suíços por mês. Após dedução dos encargos, tenho 2024 francos para viver, o que na República Tcheca equivale a um salário de 5800 francos na Suíça.

Recomeçando do zero

Além do aspecto financeiro, há a questão da integração. Porque quando você já viveu a maior parte de sua vida em um país, não é fácil começar do zero, criar um novo círculo de amigos ou encontrar seu caminho através da selva administrativa.

Pierre Triolo admite que as relações sociais são "complicadas no dia a dia" porque ele não fala tcheco. Mas "ele fala um pouco de inglês com algumas pessoas e de alemão com os mais velhos". Apesar da barreira linguística, ele "conseguiu criar uma rede".

A língua e a cultura são, finalmente, os elementos que fizeram pender a balança para a França no caso do outro Pierre. "Perguntamos sobre o Senegal e a Tailândia, mas tínhamos medo de ficarmos perdidos, por isso finalmente escolhemos a França".

Giovanni Brunetti màd

Claudine Tüscher e seu marido, por sua vez, "ficaram um pouco decepcionados com a Suíça, que não nos apoiou em nada, e surpreendidos com a França, que nos recebeu de braços abertos". "É um país muito social e a vida comunitária é extraordinária", diz ela.

O pragmático Giovanni Brunetti acredita que "basta não se trancar em casa e entrar em clubes de lazer para conhecer pessoas". A França também está cheia de clubes suíços.

Entretanto, todos concordam que é essencial conhecer as formalidades administrativas a serem cumpridas na Suíça e no país de chegada antes de dar esse pulo, pois para alguns, "foi um pouco uma corrida de obstáculos".

Em 2020, quase 120 mil aposentadorias AHV foram pagas no exterior.

Conteúdo externo

Balanço final

Com exceção de Giovanni Brunetti, que "preferiu a vida na Suíça", os outros estão felizes por terem tomado esse passo. "Aqui estamos vivendo um sonho", diz Pierre. "Encontramos uma ruralidade que não existe na Suíça e é isso que procurávamos". Quanto a Claudine Tüscher, ela "realmente não se arrepende" de ter partido e considera que "a qualidade de vida é muito melhor na França". Reine Blum pensa que "o alto custo de vida na Suíça é decadente". Se eu tivesse mais dinheiro eu passaria minha vida viajando, mas não voltaria a viver na Suíça.

*Sobrenome conhecido dos editores

Adaptação: DvSperling

Participe da discussão

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.