Navigation

Análise nutricional expõe afirmações vazias de multinacionais de alimentos

71% da linha de produtos Nestlé avaliados não alcançaram a classificação "Health Star Rating" para serem classificados como saudáveis. Keystone / Laurent Gillieron

A gigante alimentícia suíça Nestlé manteve a primeira posição no ranking global de nutrição dos maiores fabricantes de alimentos e bebidas, apesar de apenas 29% de seus produtos serem considerados saudáveis. 

Este conteúdo foi publicado em 07. julho 2021 - 03:00

No mês passado, a Iniciativa de Acesso à Nutrição (ATNI) revelou seu quarto Índice GlobalLink externo, que classifica os 25 maiores fabricantes de alimentos e bebidas do mundo com base em seu compromisso com uma nutrição saudável. A Nestlé manteve o primeiro lugar que adquiriu em 2018, seguida de perto pela Unilever. O Índice Global avalia empresas em sete categorias, incluindo linha de produtos, rotulagem, governança, marketing, acessibilidade, estilos de vida dos funcionários e engajamento.  

“A posição de destaque da Nestlé é o reconhecimento do seu compromisso de longa data com a nutrição e saúde, bem como o seu empenho em ajudar a enfrentar os desafios globais da obesidade e da subnutrição”, disse a empresa em um comunicado à imprensa.  

No entanto, um olhar mais atento sobre o desempenho da vencedora mostra que os fabricantes de alimentos processados ​​têm um longo caminho a percorrer antes que seus produtos possam ser chamados de opções saudáveis. O ranking analisou 2.760 produtos vendidos pela Nestlé em todo o mundo. Destes, apenas 29% foram considerados saudáveis. Para ser classificado como saudável, um produto deve pontuar pelo menos 3,5 de um máximo de 5 no Health Star Rating (HSR) usado na Austrália e na Nova Zelândia para ajudar os consumidores a comparar produtos alimentícios embalados. 

Um HSR de 3,5 (o mínimo necessário para ser classificado como saudável) exige que 100g do produto tenham no máximo 1.020kJ de calorias, 1g de gordura, 2,1g de açúcar, 645mg de sódio e pelo menos 8g de fibras. Seguindo esses parâmetros,  71% dos produtos da Nestlé avaliados não atende aos requisitos.

Conteúdo externo

O desempenho relativamente melhor da Nestlé em comparação aos outros concorrentes não se deve apenas aos esforços para melhorar o perfil nutricional de seus produtos. A melhoria de sua pontuação média de HSR em oito países selecionados, que foi de 1,8 em 2018 para 2,7 em 2021, é um exemplo.

“Isso pode ser atribuído em grande parte ao desinvestimento de categorias menos saudáveis, ou seja, Sorvete no México e Sorvete e Confeitaria nos EUA”, disse a ATNI em seu site. 

Além disso, a pontuação da Nestlé em alguns de seus produtos mais populares, como cereais matinais, laticínios, molhos, temperos e condimentos, foi inferior à média das empresas avaliadas nessas categorias. 

Resposta da empresa

“Você menciona o percentual de produtos distintos, mas se olhar o percentual de vendas derivado de produtos saudáveis, o percentual ​​sobe para 43%. Esta é uma medida importante, pois mostra para onde os consumidores estão indo e onde estamos colocando nossos esforços”, disse um porta-voz da empresa à swissinfo.ch.

O representante destacou ainda que a Nestlé vende uma gama mais ampla de produtos alimentícios do que a maioria das demais empresas do ranking, inclusive os itens de confeitaria que têm menor probabilidade de serem saudáveis. Além disso, algumas de suas categorias importantes, como nutrição infantil e café puro, não são avaliadas pelo HSR, o que significa que até metade de sua linha de produtos foi excluída da avaliação.

A Nestlé ganhou as manchetes em maio, quando a mídia publicou uma apresentação para executivos que reconhecia que 60% de seus produtos convencionais não poderiam ser chamados de saudáveis ​​e nunca o serão. A apresentação também afirmou que 37% de sua linha de produtos atinge um HSR de 3,5.

Adaptação: Clarissa Levy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.