Navigation

Genebra continua o centro do mundo?

Africana é primeira mulher a liderar a OMC

A nova dirigente da Organização Mundial do Comércio tem muitos desafios pela frente. Keystone / Martial Trezzini

A Organização Mundial do Comércio (OMC) confirmou na segunda-feira a ex-ministra das finanças da Nigéria, Ngozi Okonjo-Iweala, como sua nova diretora-geral, pondo fim a meses de atrasos e bloqueios no órgão sediado em Genebra. Ela é a primeira mulher e a primeira africana a liderar a OMC. Sua missão não será fácil.  

Este conteúdo foi publicado em 15. fevereiro 2021 - 12:00

Foi preciso mais de seis meses para que a OMC chegasse a um acordo sobre um novo diretor-geral. Okonjo-Iweala sucederá ao brasileiro Roberto Azevêdo, que anunciou em maio passado sua demissão antes do final de seu mandato. Ele deixou a OMC no início de agosto. A demora para encontrar um novo líder deve-se não só ao fato de a OMC ter que encontrar um consenso entre seus membros, mas também à posição dos EUA sob a presidência do ex-presidente Donald Trump. Os oito candidatos originais foram reduzidos a dois. A administração Trump apoiou o atual ministro do comércio da Coreia do Sul, Yoo Myung-hee, e ameaçou bloquear Okonjo-Iweala. Com a saída de Trump, o caminho ficou livre para a candidata nigeriana. 

Peter UngphakornLink externo, especialista em comércio mundial que trabalhava na OMC, disse que é um alívio que a organização tenha agora um líder, e simbolicamente interessante que pela primeira vez o diretor-geral seja uma mulher e do continente africano. Ele observou que as decisões dentro da OMC dependem de seus membros e não da direção-geral. O papel dela será principalmente ajudar a restaurar a confiança dentro da organização e em termos da sua imagem pública, promover o bom trabalho que muitas vezes é esquecido, e desempenhar um papel de mediação entre os países-membros "quando eles estiverem prontos".   

"É importante não esquecer que ainda está sendo feito muito trabalho bom na OMC", disse Ungphakorn. "Em tempos normais (não pandêmicos), cerca de 20 trilhões de dólares em comércio circulam pelo mundo com pouco ou nenhum obstáculo. É para isso que serve a OMC, manter o comércio fluindo sem problemas com seus acordos". Portanto, de modo geral, as regras funcionam. Quando os países têm algum problema, eles discutem as questões em comitês técnicos não-discriminatórios. Na maioria das vezes, a discussão é suficiente. Apenas uma minoria minúscula de questões acaba por se transformar em disputas legais formais". 

Quem é Ngozi Okonjo-Iweala? 

A nova diretora-geral da OMC precisará de fortes habilidades diplomáticas e pessoais.

Especialista em desenvolvimento internacional, Okonjo-Iweala, 66 anos, tem cidadania nigeriana e norte-americana. Ela é formada em economia em Harvard e obteve a cidadania americana em 2019, após longos anos de vida e trabalho nos Estados Unidos. Ela serviu como ministra das finanças e das relações exteriores em seu país natal, a Nigéria, e é também ex-Diretora Administrativa do Banco Mundial. Suas atividades atuais incluem a presidência da diretoria da Gavi, uma aliança que visa aumentar o acesso à imunização em países pobres, e atualmente é co-líder do pool de vacinas COVAX, uma iniciativa para promover a igualdade de acesso às vacinas contra a Covid-19.  

De acordo com a biografia oficial dela do site da OMCLink externo, ela é uma reformadora, uma militante anti-corrupção e "negociadora hábil". "Ela é considerada como uma efetiva construtora de consenso e mediadora honesta, desfrutando da confiança dos governos e outras partes interessadas", diz seu website. 

OMC embargada 

Com seu mecanismo de solução de disputas bloqueado pela administração Trump, as contínuas tensões comerciais, especialmente entre os EUA e a China, e os apelos à reforma da OMC enfrentam muitos obstáculos. Suas regras são antigas e precisam ser atualizadas. 

O apoio da administração Biden à Okonjo-Iweala também significará uma posição mais suave em outras questões litigiosas, tais como colocar o próprio mecanismo de solução de disputas em funcionamento novamente? "É muito cedo para dizer", responde Ungphakorn. "Apoiar sua candidatura é uma jogada diplomática inteligente". Sinaliza o retorno dos EUA ao multilateralismo. Mas ela não pode afetar os direitos e obrigações dos EUA no sistema comercial da OMC, suas preocupações sobre a solução de controvérsias, ou sobre a China, nem as negociações. Essas só podem ser resolvidas entre os membros".

Adaptação: Fernando Hirschy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.