Navigation

A Suíça conseguirá convencer a população a tomar a vacina Covid-19?

Manifestantes anti-vacinação protestam contra as medidas de combate à Covid-19, que eles acreditam ter tirado as liberdades pessoais dos cidadãos. Eles também temem que a vacinação se torne obrigatória. Keystone / Urs Flueeler

Com várias vacinas potenciais contra o coronavírus em estágios finais de desenvolvimento, o próximo passo é convencer uma grande parte da população a concordar em receber a injeção no braço. É uma tarefa difícil na Suíça, onde o nível de hesitação em relação à vacina está entre os mais altos do mundo.

Este conteúdo foi publicado em 01. dezembro 2020 - 15:00

No meio de uma segunda onda brutal de coronavírus que viu novos casos diários atingirem o ponto mais alto neste outono, uma pesquisa nacional perguntou: você seria vacinado contra Covid-19?

Mais de um quarto das pessoas (28%) disse que não. Quase metade (47%) ficou hesitante, dizendo que só receberia o imunizante se não houvesse efeitos colaterais ou que “esperaria para ver”.

A hesitação sobre a vacina na Suíça e no mundo

De acordo com um estudo sobre a confiança nas vacinas em 149 países, publicado no The LancetLink externo em setembro de 2020 e relatado pela rádio pública suíça RTS, nos últimos anos os suíços ficaram mais hesitantes sobre as vacinas. A porcentagem de pessoas que acreditam que as vacinas são importantes diminuiu entre 2015 e 2019 (de 65% para 53%). Menos pessoas também acreditam que são eficazes (de 50% em 2015 a 45% em 2019). Apenas a confiança na segurança da vacina aumentou neste período (de 30% para 33%).

O estudo baseia-se em parte em um levantamento de 2018 do Wellcome TrustLink externo, que colocou a Suíça entre os cinco principais países do mundo com maior ceticismo sobre vacinas. Cerca de 22% dos suíços discordaram que as vacinas são seguras, a maior porcentagem na Europa depois da França; 9% discordaram que as vacinas são importantes para as crianças.

Uma pesquisa realizada em 27 países para o Fórum Econômico MundialLink externo neste verão constatou que três quartos dos adultos concordam fortemente ou até certo ponto com a declaração: “Se uma vacina para Covid-19 estivesse disponível, eu tomaria”. Na França, a taxa era de 59% e na Alemanha, de 67%. Na Suíça, que não foi incluída na pesquisa do WEF, apenas 16% das pessoas entrevistadas em outubro-novembro pela SBC disseram que receberiam a vacina imediatamente quando ela estivesse disponível.

End of insertion

A pesquisa com 40.000 pessoas feita pela Swiss Broadcasting Corporation (SBC), empresa controladora da SWI swissinfo.ch, confirmou as tendências observadas em estudos anteriores, mostrando um alto grau de ceticismo sobre a vacina entre a população. Internacionalmente, os suíços estão no grupo dos que menos confiam na vacina. A pandemia global, com sua potente mistura de incerteza e desinformação generalizadaLink externo, não conteve a hesitação do país alpino.

Como lançamento de uma vacina eficaz contra a Covid ainda deve demorar meses, há tempo para as autoridades planejarem campanhas de informação. Mas as discussões sobre vacina devem se aquecer rapidamente, começando com os defensores do movimento antivacina que, experientes nas redes sociais, podem convencer os indecisos, como apontam observatórios de redes sociais.

Conteúdo externo

Tempo de expansão para antivaxxers

Para entender a escala do movimento antivacinação online, o Centre for Countering Digital Hate (CCDH), com sede no Reino Unido, fez uma auditoria. Ele identificou mais de 400 contas antivacinação em inglês nas redes sociais com 58 milhões de seguidores que promovem alegações falsas ou enganosas sobre a importância e segurança das vacinas.

“A Covid tem sido uma oportunidade de crescimento para antivaxxers”, afirma em uma análiseLink externo , que revela que as contas mais populares tiveram um crescimento de 19% no número de seguidores desde 2019.

Para Pascal Wagner-Egger, pesquisador de psicologia social da Universidade de Friburgo, o aumento não é surpreendente.

“Sabemos que, em tempos de ansiedade, há um aumento de boatos e suspeitas não verificadas”, disse ele. Uma pandemia que dura meses, senão anos, oferece um espaço ainda maior para a desinformação se espalhar e permanecer online.

Como um sinal de que o movimento antivacinação está usando a pandemia para avançar sua agenda política, na Suíça há esforços para lançar uma iniciativa popular para prevenir a vacinação obrigatória. Os críticos dizem que a iniciativa é alarmante. Atualmente, não existe obrigação e a vacinação continua sendo uma escolha individual. Link externo A abordagem da Suíça é única, pois os eleitores rejeitaram esmagadoramente uma lei sobre epidemias que tornaria a vacinação contra a varíola obrigatória em 1882, como apontou oLink externo historiador Laurent Henri-Vignaud em uma entrevista na rádio pública suíça, RTS.

“O debate na Suíça é democrático, mas ainda vemos uma contradição com a política de vacinação, que vem de cima para baixo - e não pode ser diferente, já que o assunto é de interesse público”, disse.

Embora a atual Lei de Epidemias permita que as autoridades tornem uma vacina obrigatória para certos grupos de risco, como funcionários de casas de repouso, essa medida só é possível se não houver outra opção para controlar a doença e não levaria a penalidades para quem recusar a vacina.

No entanto, enquanto os países debatem como garantir uma ampla cobertura da vacina Covid para suas populações, os céticos em relação ao imunizante estão alarmados com rumores sobre cenários iminentes na Suíça, como o boato de que apenas aqueles com um comprovante de vacinação poderiam viajarLink externo .

“Não vimos essa intensidade [de sentimento antivacina] em uma campanha de sarampo ou HPV [papilomavírus humano], mas o problema geral é o mesmo”, disse Mark Witschi, chefe de recomendações de vacinação do Escritório Federal de Saúde Pública. “É uma crença, como a religião.”

Como os teóricos da conspiração, os antivaxxers tendem a desconfiar do governo e da ciência, disse Wagner-Egger, que se envolve com membros da comunidade antivacina nas redes sociais como parte de seu trabalho de estudo de teorias da conspiração. Eles são pensadores intuitivos que, em vez de acreditar no consenso científico, podem se agarrar ao que um único cientista diz, “escolhendo a dedo” ou procurando informações que confirmem suas crenças.

“A vacinação é um assunto complexo, mas as pessoas simplificam e dizem que é perigoso ou que Bill Gates quer nos envenenar”, acrescentou Wagner-Egger.

Alcançando os indecisos

Witschi estima que 3-5% da população suíça é firmemente contra a vacinação, uma estimativa que também pode ser válida no caso da vacina Covid. Ele e Wagner-Egger dizem que essas são pessoas que não mudam de ideia.

Em vez disso, o principal alvo para as autoridades de saúde pública que procuram melhorar a confiança na vacinação é o mesmo grupo que os antivaxxers procuram convencer: aqueles que não têm certeza da importância, segurança ou eficácia das vacinas. Um  grupo de cientistas  escreveu na revista Nature que mais de 50 milhões de usuários indecisos estavam "fortemente conectados" com grupos antivacinação no Facebook.

Pessoas online, incluindo leitores de swissinfo.ch, estão expressando uma variedade de preocupações sobre a futura vacina da Covid-19: quão sérios serão os efeitos colaterais e as empresas farmacêuticas e os governos podem ser confiáveis ​​para garantir que a vacina é segura? A sensação palpável de urgência para colocar o vírus sob controle levou a uma corrida sem precedentes na busca por uma vacina, um processo que normalmente leva anos.

“Isso alimenta o ceticismo das pessoas e [os antivaxxers] pensam que esta é a chance de colocar as pessoas do seu lado”, disse Witschi, acrescentando que a Swissmedic, autoridade federal de vigilância para medicamentos e dispositivos médicos, está trabalhando com parceiros internacionais para certificar se a futura vacina da Covid é segura.

“A única maneira de avançar é informar as pessoas que estão hesitantes porque ainda não têm as informações para que possam tomar uma decisão”, acrescentou.

Com apenas 16% dos entrevistados para a pesquisa da SBC dizendo que receberiam a vacina assim que ela estivesse disponível, o escritório de saúde pública tem seu trabalho interrompido. Pretende garantir estoques de vacinas suficientes para 60% da população, o que acredita ser suficiente para conter o vírus. Mas isso só ficará claro quando a vacinação estiver bem encaminhada e as autoridades puderem avaliar seu impacto na disseminação da doença.

De acordo com Witschi, uma campanha de informação pública pode começar assim que uma vacina for aprovada pela Swissmedic, o que seu vice-diretor estima que seja possívelLink externo no primeiro trimestre de 2021. Uma tarefa urgente é entender os motivos pelos quais as pessoas optam por não se vacinar e lidar com eles, Disse Witschi.

“É importante construir confiança no sistema e explicar como as vacinas são produzidas, testadas, autorizadas e monitoradas [...] para mostrar que sabemos o que está acontecendo e para que as pessoas não pensam que não nos importamos com o processo”, afirmou.

Mostrar e dizer

L. Suzanne Suggs, professora de marketing social da Università della Svizzera Italiana no sul da Suíça, concordou que ter um diálogo transparente será fundamental: as pessoas vão querer que as autoridades sejam honestas sobre quaisquer problemas com a vacina.

Um programa de vacinação contra a Covid em grande escala será implementado ao longo de meses, o que significa que o vírus não desaparecerá da noite para o dia. Haverá também diferentes vacinas de potências (e efeitos colaterais) variadas destinadas a grupos de diferentes idades.

“O ceticismo cresce a cada mensagem nas redes sociais sobre qualquer tipo de efeito colateral [e] veremos esse problema quando outros países começarem a vacinar antes de nós”, disse Witschi.

O sentimento antivacinação tem uma longa história

No final do 18 º século, um médico Inglês chamado Edward Jenner desenvolveu uma vacina eficaz contra a varíola que dentro de uma década estava sendo usado em todo o mundo. A oposição à vacina foi “rápida e selvagem”, segundo a BBCLink externo . Quando o governo do Reino Unido tornou obrigatória a vacina contra a varíola, houve objeções sobre a interferência na vida privada das pessoas e temores em relação à segurança. Estouraram motins e surgiram ligas antivacinação.

Na Suíça, uma proposta de nova lei sobre epidemias que incluía tornar a vacina contra varíola obrigatória foi rejeitada pelos eleitores em 1882. A campanha foi de uma "violência raramente vista", escreve oLink externo historiador Olivier Meuwly , com "imagens de choque" de crianças sofrendo sendo compartilhadas para atestar a insegurança da vacina.

Em tempos mais recentes, o sarampoLink externo tem sido objeto de um forte sentimento antivacinação. Vários surtos ocorreram na Suíça, apesar dos sucessivos planos do governo para eliminar a doença. Uma estratégia de 2011-2015Link externo combinando esforços do governo federal, dos cantões (que são responsáveis ​​por questões de saúde) e parceiros médicos e educacionais conseguiu expandir a cobertura de vacinação entre adultos jovens e crianças. No entanto, em 2019, a Europa relatou o maior númeroLink externo de casos de sarampo em uma década, atribuídos em parte à recusa dos pais em vacinar seus filhos, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

End of insertion

Suggs, cujo foco de pesquisa é a vacinação, disse que ter as políticas certas em vigor pode ser um tipo eficaz de mensagem.

“Quando as vacinas são pagas pelo seguro saúde ou pelo governo e são de fácil acesso, a mensagem clara para a população é que as vacinas são realmente importantes”, e isso tradicionalmente leva a taxas mais altas de aceitação, disse ela.

Wagner-Egger destacou que as pessoas em países prósperos como a Suíça não veem mais as consequências negativas das doenças transmissíveis que foram amplamente erradicadas por meio da vacinação, portanto, podem ser menos propensas a acreditar que a vacinação é importante. Mostrar imagens antigas das devastações da poliomielite, por exemplo, pode ser uma forma eficaz de comunicar a importância da vacinação, disse ele.

Na verdade, de acordo com Witschi, “quanto maior o risco percebido [da doença] entre a população, mais pessoas estarão dispostas a tomar a vacina”.

“A pandemia está tão presente e todos são confrontados com ela diariamente [que] o problema não será pessoas ‘esquecendo’ de tomar a vacina”, previu. 

No final das contas, com as informações certas, ele acredita que a população vai embarcar.

“A implicação é simples - quanto mais pessoas são imunizadas, menos transmissão temos, menos pressão [temos] sobre os hospitais e menos exames precisam ser feitos”, disse ele. “Com uma vacina, podemos ajudar a reduzir toda essa pressão.”

Adaptação: Clarissa Levy

Participe da discussão

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.