Navigation

‘Perturbador, chocante, histórico': mídia suíça reage à invasão do Capitólio

Apoiadores de Trump invadindo o prédio do Capitólio dos EUA em 6 de janeiro Copyright 2020 The Associated Press. All Rights Reserved

No dia seguinte à invasão do Capitólio pelos apoiadores do presidente americano Donald Trump, os jornais suíços são unânimes em afirmar que este é um dos dias mais trágicos para a democracia americana. Eles colocam a culpa diretamente em Trump - para um dos jornais, o presidente deveria ser conduzido para fora da Casa Branca "algemado".

Este conteúdo foi publicado em 07. janeiro 2021 - 10:55

"O dia 6 de janeiro de 2021 ficará para a história americana", disse o jornal popular BlickLink externo. "Ontem o mundo assistiu [aos acontecimentos em] Washington em estado de choque: viu apoiadores do atual presidente dos EUA, Donald Trump, o venerável Capitólio, membros do Congresso em fuga, guardas de segurança com armas sacadas na câmara do Senado. Um dos edifícios mais seguros do mundo, subitamente capturado por uma multidão enfurecida. Era pura loucura - e tudo no coração da democracia mais antiga do mundo".

A polícia disse que quatro pessoas morreram durante o caos - uma por ferimentos de bala e três por emergências médicas - e 52 pessoas foram presas.

Invasão do Capitólio

Centenas de apoiadores do Presidente Donald Trump invadiram o Capitólio dos EUA na quarta-feira em uma tentativa de reverter sua derrota eleitoral, lutando contra a polícia nos corredores e atrasando por horas a certificação da vitória do presidente eleito Joe Biden.

No mais grave ataque ao símbolo da democracia americana em mais de 200 anos, os amotinados forçaram sua passagem por barricadas metálicas de segurança, quebraram janelas e paredes escalonadas até o interior do enorme edifício.

A polícia disse que quatro pessoas morreram durante o caos - uma por ferimentos de bala e três por emergências médicas - e 52 pessoas foram presas.

Alguns sitiaram a Câmara dos Deputados enquanto os legisladores estavam lá dentro, batendo em suas portas e forçando a suspensão do debate sobre a certificação eleitoral. Agentes de segurança empilharam móveis contra a porta da câmara e sacaram suas pistolas antes de ajudar os legisladores e outros a escapar.

A polícia lutou por mais de três horas após a invasão para evacuar os apoiadores de Trump antes de declarar o edifício seguro, pouco depois das 17h30, horário local.

O assalto ao Capitólio foi o ápice de meses de retórica divisória e desenfreada em torno da eleição de 3 de novembro, com Trump fazendo repetidas vezes falsas alegações de que a votação foi manipulada e exortando seus partidários a ajudá-lo a reverter sua perda.

O caos se instalou após Trump - que antes da eleição se recusou a se comprometer com uma transferência pacífica de poder caso perdesse - dirigir-se a milhares de partidários perto da Casa Branca, dizendo-lhes que marchassem sobre o Capitólio para expressar sua raiva diante do processo de votação.

Ele disse a seus partidários para pressionar os deputados e senadores a rejeitar os resultados, exortando-os a "lutar". No dia seguinte ao violento motim, Trump anunciou que iria respeitar os resultados e proceder com uma transferência ordeira de poder.

End of insertion

Para o Tages-Anzeiger de Zurique, "a democracia americana afundou até seu ponto mais baixo até agora".

"A América caiu na anarquia", diz o jornal em seu editorialLink externo. "Donald Trump, que despreza o país e suas leis, atiçou as massas e convocou-as a uma invasão do Capitólio. Chegou-se finalmente ao ponto em que este homem deva ser responsabilizado. Ele zomba dos EUA, destrói a democracia, clama por um golpe. Em qualquer outra democracia do mundo, isto seria considerado uma tentativa de golpe. Trump deve pagar por isso".

Reação do governo suíço

As autoridades suíças reagiram com consternação à tormenta do Congresso. Guy Parmelin, que detém a presidência rotativa da Suíça este ano, escreveu que o governo ficou consternado com os eventos que levaram à morte de várias pessoas.

Mas o governo suíço afirma ter confiança na força das instituições americanas e que uma transferência pacífica de poder será possível de acordo com a Constituição, tuitou Parmelin. "A democracia americana é valiosa para nosso país porque compartilhamos os mesmos valores".

O Ministro das Relações Exteriores, Ignazio Cassis, condenou a violência. "Liberdade, democracia e coesão nacional são bens elevados - devem ser valorizados", disse ele no Twitter. "Eu condeno qualquer ataque contra eles".

End of insertion

Telespectadores de televisão e usuários da mídia social ao redor do mundo viram extraordinárias fotos de armas apontadas na Câmara dos Deputados e de combate corpo a corpo com a polícia, enquanto multidões ocupavam alguns dos espaços mais sagrados da democracia americana.

Seguranças do Capitólio dos EUA com armas apontadas se protegem atrás de uma porta barricada enquanto os manifestantes tentam invadir a Câmara. Copyright 2020 The Associated Press. All Rights Reserved

"Estas imagens de vergonha serão gravadas na memória coletiva dos EUA", disse o Tages-Anzeiger. "Desde a Guerra Civil, este país estava amplamente unido em seu orgulho pelos templos da democracia, pelos símbolos de sua ordem constitucional, pelo conjunto emocionalmente carregado da capital, que forneceu o pano de fundo para uma crença num Estado ao qual todos podiam se submeter. Agora este templo foi profanado - e isso vai ferir a maioria dos americanos no fundo de seus corações".

Quanto ao futuro, o jornal diz que os EUA enfrentam um "intenso processo de auto-purificação".

"Se há um aspecto positivo na tormenta do Congresso, é que quem segue a insanidade de Trump, agora vai cair com ele. Nesse sentido, os manifestantes não só perseguiram os membros do Congresso, mas também expulsaram Trump da Casa Branca. Esse foi o dia em que seu mandato terminou. Ele deveria ser levado para fora algemado".

'Loucura destrutiva'

O diário Le Temps de Genebra concordouLink externo, dizendo que manter Trump no poder "seria criminoso".

"Ele alimentou [os desordeiros] com ódio, alimentado por mentiras, então, como um Nero dos tempos modernos, posou como um simples espectador de sua loucura destrutiva com um último discurso agressivo, como um fusível acendendo uma bomba. Como podemos continuar a negar que ele representa um perigo para a democracia?"

Apoiadores de Trump sob a rotunda do Capitólio depois de violar a segurança Keystone / Jim Lo Scalzo

As cicatrizes de 6 de janeiro de 2021 serão profundas e duradouras, diz o diário francófono.

"O legado de Donald Trump é ter dividido ainda mais uma nação polarizada ao pressionar por atos de insurreição. Graças à dupla eleição senatorial na Geórgia, que resultou na vitória dos dois candidatos de seu partido, Joe Biden pode agora contar com maioria democrata nas duas casas do Congresso. Mas ele logo terá que enfrentar uma tarefa que hoje parece impossível: reconciliar dois campos que parecem separados por tudo".

Ainda uma "democracia funcional" 

O Neue Zürcher Zeitung (NZZ) mostrou-se menos pessimista. "A perda de controle no Capitólio é um sinal de alerta, mas não o desaparecimento da democracia americana", diz o jornal zuriquenho em editorialLink externo.

"As cenas que vimos do Capitólio nas últimas horas são perturbadoras, chocantes, históricas. Os jornalistas da televisão americana, e mais tarde o presidente eleito Joe Biden, repetiam que tais cenas são típicas de países subdesenvolvidos, mas não dos Estados Unidos, modelo e o guardião da democracia no mundo moderno".

Mas "apesar de todo o horror" era necessário manter as coisas em perspectiva, acrescemta o editorial, apontando que Joe Biden assumirá o cargo em 20 de janeiro como o 46º Presidente dos Estados Unidos. "Os EUA continuam sendo uma democracia funcional que respeita a vontade dos eleitores".

O NZZ admitiu que as cenas do Capitólio foram um "escândalo", "mas elas não refletem tanto o estado dos EUA quanto o estado de seu presidente. Foram alguns milhares de extremistas, não milhões, que ocuparam o Congresso na quarta-feira".

No entanto, o jornal reconheceu que Trump não desapareceria simplesmente do grande palco político.

"Cerca de 74 milhões de eleitores - número recorde para um candidato derrotado - acabam de votar nele. O desafio tanto para republicanos quanto para democratas nos próximos anos será distanciar-se da esfera de influência de Trump e dos elementos extremistas de seus apoiadores, mas manter a grande maioria de sua base de eleitores, milhões de cidadãos americanos comuns. Fazer essa mágica não é, de forma alguma, algo dado".

Reações dos americanos na Suíça

Os comitês baseados na Suíça para os dois principais partidos políticos dos EUA reagiram ao assalto ao Capitólio. Em uma declaração oficial, os democratas no exterior da Suíça (Democrats Abroad Switzerland) a chamaram de "o momento mais perigoso da história dos EUA desde a Guerra Civil".

Enquanto os democratas no exterior apoiam a liberdade de expressão, eles exigem "processar em toda a extensão da lei aqueles que usariam a força para derrubar nosso governo eleito" chamando de terroristas aqueles que invadiram o Capitólio.

Eles aplaudiram os membros do Congresso dos EUA por se reunirem novamente para validar os resultados eleitorais afirmando que "a anarquia não prevalecerá. A democracia prevalecerá".

No Facebook, os republicanos no exterior da Suíça (Republicans Overseas Switzerland) disseram que o partido rejeita a violência, incluindo os "atos de alguns no protesto de hoje em Washington". No entanto, eles reiteraram algumas das falsas alegações do Presidente Trump de fraude eleitoral, o que ajudou a incitar a insurreição no edifício do Capitólio.

Eles escreveram que "os americanos devem recuperar a fé nos resultados de nossas eleições. Precisamos fazer AUDITORIA de todo o processo e eliminar toda a FRAUDE". (maiúsculas originais)

End of insertion

Participe da discussão

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.