Navigation

"Na China, a demanda por nossas ferramentas é maior do que antes da pandemia"

Eva Jaisli estudou psicologia na Universidade de Berna.Também possui um MBA em marketing internacional. Em 2015, a Universidade de Berna lhe concedeu o título de doutora honoris causa. Keystone / Christian Merz

O vale do rio Emme, ou Emmental, no cantão de Berna, é bem conhecido pelo queijo. Mas nesta região também se encontra a sede da PB Swiss Tools, um fabricante de ferramentas e instrumentos de alta precisão fundado em 1878. A empresa é liderada por uma mulher, Eva Jaisli, um fato raro no setor. 

Este conteúdo foi publicado em 26. junho 2021 - 10:00
Philippe Monnier

Eva Jaisli dirige a PB Swiss Tools há mais de 25 anos. A empresa familiar emprega 180 pessoas na pequena aldeia de Wasen im Emmental e exporta mais de dois terços de sua produção para cerca de 80 países.

Pragmática e dinâmica, Eva Jaisli também é muito ativa na defesa da Suíça como praça de negócios. Ela é vice-presidente da Switzerland Global Enterprise, a agência governamental que ajuda pequenas e médias empresas a se posicionarem no exterior; vice-presidente da Swissmem, a associação patronal da indústria de máquinas e membro da organização “Economiesuisse”, o mais importante empresarial da Suíça.

Enquanto a indústria foi duramente atingida no ano passado pela pandemia, Eva Jaisli diz que sua empresa está agora bem posicionada para aumentar sua participação de mercado na Europa e na Ásia. 

Série "Mulheres no comando" 

As mulheres ainda estão largamente subrepresentadas nos níveis mais altos da economia. Por exemplo, apenas 13% das 20 empresas listadas no principal índice da bolsa de valores suíça, o SMI, têm mulheres em cargos de administração. Neste aspecto, a Suíça é um país com fraco desempenho de acordo com os padrões internacionais. Ao longo do ano, a SWI swissinfo.ch decidiu dar a palavra a diretoras de empresas suíças que operam em todo o mundo. Eles falam sobre os desafios mais urgentes que a economia suíça enfrenta hoje, da crise do coronavírus até o lugar da Suíça na economia global.

End of insertion

swissinfo.ch: De que maneira sua empresa foi afetada pela pandemia? Você recebeu algum apoio do governo?

Eva Jaisli: Durante vários meses em 2020, tivemos que trabalhar em horários reduzidos por causa da queda em nossos mercados. Mas agora estamos de vento em popa. Quase todos os nossos mercados se recuperaram e a demanda em alguns países europeus e na China é ainda mais forte do que antes da pandemia. Além disso, a ligeira depreciação do franco suíço é um estímulo bem-vindo. Esperamos poder viajar novamente em breve para visitar nossos clientes e participar de feiras comerciais.

"Preferimos investir em inovação, mais do que em patentes"

End of insertion

swissinfo.ch: Você exporta a maior parte de sua produção. Em quais países você vê suas principais oportunidades de crescimento?

E.J.: A União Europeia é nossa principal alavanca de crescimento. Embora este seja um mercado maduro, temos a oportunidade de aumentar ainda mais nossa participação de mercado, oferecendo soluções inovadoras. Como o acesso a este mercado é absolutamente essencial para uma empresa como a nossa, estou fazendo lobby ativamente para o acordo-quadro com a União Europeia. Outras grandes oportunidades de expansão estão em países emergentes como a China, Índia e Indonésia.

swissinfo.ch: Sua rentabilidade varia significativamente de país para país?

E.J.: Sim, quando entramos em um novo mercado, temos que investir somas consideráveis e, portanto, trabalhar com prejuízo por vários anos. Esta fase preliminar é necessária para estabelecer nossa marca localmente e para obter a aceitação do cliente. A rentabilidade só vem mais tarde.

swissinfo.ch: Você vende principalmente através de uma série de distribuidores externos. No futuro, você planeja vender mais de sua produção através de suas próprias subsidiárias?

E.J.: Nosso catálogo tem cerca de três mil referências, mas nossos clientes típicos precisam de muito mais ferramentas ou instrumentos. Portanto, é interessante para nós continuarmos a distribuir nossos produtos através de revendedores especializados, pois eles vendem entre 80 mil e 300 mil produtos. 

swissinfo.ch: Mas você tem sua própria filial na China?

E.J.: Nossa empresa chinesa é, de fato, nossa única subsidiária. Sua missão não é vender diretamente aos clientes finais, mas coletar informações sobre o grande mercado chinês. Esta filial também é responsável pelas relações com nossos distribuidores chineses.

Swiss Tools Ag

swissinfo.ch: Em que casos você faz vendas diretas?

E.J.: Fazemos isso apenas para produtos feitos sob medida. Entretanto, não vendemos nossos produtos padrão diretamente porque não queremos competir com nossa rede de distribuidores externos.

swissinfo.ch. Em 2006 você mudou o nome de sua empresa de "PB Baumann" para "PB Swiss Tools". Por quê?

E.J.: Antes de darmos este passo, perguntamos a nossos clientes o que eles mais apreciavam em nossa empresa. A resposta deles foi nossa qualidade suíça, que a produção na Suíça. É por isso que queríamos mudar nosso nome. Felizmente, o registro comercial aceitou o novo nome. 

swissinfo.ch: A fim de garantir a qualidade, você produz principalmente internamente e na Suíça. Mas empresas como a Porsche fabricam veículos confiáveis, terceirizando 80% de sua produção, especialmente no exterior...

E.J.: Em princípio, fabricaremos nossos produtos na Suíça enquanto pudermos permanecer competitivos, especialmente em termos de custos. Mas nós não produzimos tudo internamente. Compramos certos componentes, por exemplo, a eletrônica embarcada. Temos também alguns fornecedores estrangeiros. Por exemplo, trabalhamos com uma empresa alemã especializada em aço, com a qual desenvolvemos processos de fabricação exclusivos.

swissinfo.ch. Sua gama de ferramentas profissionais inclui cerca de três mil itens, o que é considerável. A fim de reduzir seus custos unitários, você está pensando em reduzir o tamanho desta gama?

E.J.: Nosso catálogo de ferramentas profissionais está em constante mudança. Todos os anos adicionamos e removemos uma série de itens. Nos últimos anos, adicionamos cerca de 100 novos itens ao nosso catálogo.

Estamos bem cientes de que esta ampla gama de produtos cria complexidade e custos em toda a cadeia de valor, mas estamos convencidos de que esta gama é necessária para satisfazer nossos clientes.

swissinfo.ch: Como você protege suas inovações?

E.J.: Geralmente não utilizamos patentes ou segredos comerciais. Em qualquer caso, as patentes não são muito eficazes na proteção da propriedade intelectual. Portanto, preferimos investir em inovação, por exemplo, em projetos com universidades ou faculdades, em vez de em patentes.

Nosso principal valor agregado é nosso domínio de muitos processos complexos que são difíceis de imitar. Sempre que possível, preferimos proteger nossas inovações, estabelecendo padrões e sendo vistos como o original e não como a cópia.

swissinfo.ch: A médio prazo, você acha que empresas sediadas na Ásia, por exemplo, serão capazes de fabricar ferramentas de qualidade comparável aos seus produtos?

E.J.: Uma empresa japonesa já está quase em nosso nível. Trocamos regularmente experiências com esta empresa japonesa.

swissinfo.ch: E as empresas chinesas?

E.J.: Basicamente, se as empresas chinesas realmente querem atingir nosso nível de qualidade e se elas investem os meios, por que não? Entretanto, de acordo com o plano quinquenal anterior, o Estado chinês está dando prioridade a setores como inteligência artificial, robótica ou ecologia. Em qualquer caso, além da qualidade em si, nossa marca e a reputação da origem suíça continuarão sendo bens difíceis de serem imitados e muito apreciados por nossos clientes.

swissinfo.ch: Qual é o seu credo em relação ao crescimento por aquisição?

E.J.: Nunca adquirimos nenhuma empresa e não temos a intenção de fazê-lo. Em teoria, poderíamos, por exemplo, comprar uma empresa especializada em galvanização, um processo que terceirizamos. Mas os benefícios disso não são óbvios. Além disso, não podemos comprar empresas fora de nossas áreas de especialização, especialmente se isso resultar em dívidas para nós.

swissinfo.ch: Ser listada em bolsa de valores, por exemplo, com um número reduzido de ações em circulação, é uma opção que você está considerando?

E.J.: Isto não está em pauta. Estamos satisfeitos com nosso status como uma empresa familiar completamente independente. Isto nos permite manter a máxima agilidade.

"Está fora de questão que a PB Swiss Tools mude de cantão por causa dos impostos."

End of insertion

swissinfo.ch. Você está satisfeita com as condições estruturais na Suíça, por exemplo, com a tributação especialmente elevada das empresas no cantão de Berna?

E.J.: A carga tributária no cantão de Berna é de fato bastante alta em comparação com outros cantões suíços, mas este é o preço que temos que pagar por uma excelente infraestrutura, como estradas, escolas e hospitais. Em qualquer caso, a PB Swiss Tools não pode se mudar para outro cantão por causa da situação fiscal, porque nossos funcionários estão enraizados na região de Berna.

swissinfo.ch: Como você vê a PB Swiss Tools daqui a vinte anos?

E.J.: O mais importante é que nossa empresa continue a oferecer produtos que excedem as expectativas de nossos clientes. Em termos de ferramentas profissionais, há várias áreas de desenvolvimento: chaves de fenda elétricas, bem como chaves de fenda com dispositivos de controle, capacidades robóticas ou sensores.

Em 2013, entramos no campo dos dispositivos médicos porque eles exigem as mesmas habilidades técnicas que as ferramentas profissionais. Continuaremos a nos desenvolver nesta área. Finalmente, planejamos fortalecer nossos serviços de calibração, bem como nossas atividades de consultoria em relação à escolha de ferramentas ou à renovação de um parque de ferramentas.

Adaptação: DvSperling

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.